Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Nova passagem compromete até 17% do salário mínimo

Usuários denunciam que qualidade do serviço não condiz com o preço da passagem

Nova passagem compromete até 17% do salário mínimo
Preço da passagem aumentou | José Alves Filho
Compartilhe
Google Whatsapp

A passagem de ônibus em Teresina subiu de R$3,60 para R$3,85. O aumento de 25 centavos, um quarto de real, não foi bem recebido pela população, que deve comprometer até 17% do salário mínimo para simplesmente ir ao trabalho. A meia passagem, que passou cinco anos congelada, também inflou de R$1,15 para R$1,28.

Vale ressaltar que este coeficiente pode ser ainda maior. Isto porque algumas linhas do transporte público de Teresina não integram entre si, como o Universidade Circular I, Universidade Circular II, Rodoviária Circular I e Rodoviária Circular II.

Antes, na terça-feira (8), o prefeito Firmino Filho (PSDB) havia fixado o valor da tarifa em R$4,02, o que levaria Teresina ao posto de segunda capital com o sistema de transporte público mais caro do Nordeste. A prefeitura voltou atrás e caiu o valor para os atuais R$3,85, que foi publicado na quarta-feira (9) para vigorar a partir da quinta-feira (10).

Para Eumano Silva, instalador de som, a qualidade do serviço é questionável. “O transporte público piorou e a passagem aumentou. Não gostei do novo sistema. Eles reduziram a frota, fez foi piorar. A gente passa mais tempo na parada, pior ainda quando é final de semana”, considera.

O estudante de farmácia Wallace Santana Silva, que esperava em uma estação na Avenida Miguel Rosa, faz coro às reclamações. “O preço da passagem não compensa pela qualidade dos ônibus que a cidade oferece. São veículos antigos, com ônibus que a janela nem abre. Não tem qualidade nenhuma para o passageiro. Os terminais não condizem com a realidade de Teresina, que nem precisaria de terminais assim. Eles estão em funcionamento ruim, enquanto temos cidades próximas como São Luís e Fortaleza que o sistema funciona bem melhor”, compara.

O valor aprovado pela Prefeitura ficou aquém do que havia sendo indicado pelo Conselho Municipal de Transportes, que fixou o valor preliminar de R$4,02. O Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina (Setut) apresentou um valor ainda maior: R$4,72. O valor da passagem teve um acréscimo de 6,94%, um pouco abaixo da inflação acumulada em 2018 de 7,1%.

Setut diz que empregador paga parte da passagem, mas esquece que existem autônomos

Em virtude da matéria “Nova passagem compromete até 17% do salário mínimo”, veiculada na última quinta-feira, dia 10, que afirma que o aumento da passagem pode comprometer até 17% do salário mínimo, o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (SETUT) enviou uma nota que diz que o vale transporte é concedido pelo empregador, portanto, o trabalhador não precisa desembolsar o valor da tarifa do seu orçamento para assegurar seu deslocamento. No entanto, o Setut esquece que muitos trabalhadores são autônonomos, microempreendedores individuais ou estão em novos acordos trabalhistas abarcados pela nova legislação. 

Passagem estudantil

Ainda em referência à informação de que “a meia passagem, que passou cinco anos congelada, também inflou de R$1,15 para R$1,28”, o SETUT ressalta que, apesar do aumento concedido, a tarifa estudantil permanece com desconto de 67%, ou seja, acima dos 50% fixado em lei.

A reportagem cita ainda que “algumas linhas do transporte público de Teresina não integram entre si, como o Universidade Circular I, Universidade Circular II, Rodoviária Circular I e Rodoviária Circular II”. Entretanto, essas são linhas que não integram por ser circulares, mas atendem o fluxo de passageiros que precisam se deslocar de uma região sem usar o sistema de integração. Neste caso, o Setut também não leva em conta as pessoas que moram em bairros mais distantes e precisam pegar um ônibus para o centro para só assim acessarem os ônibus quem levam às universidades.

Sobre a informação de que as janelas dos ônibus que fazem a integração não abrem, o SETUT esclarece também que com ar-condicionados instalados nos veículos não é possível abri-las como forma de preservar o ambiente refrigerado. A entidade reforça que as empresas seguem trabalhando, de acordo com a realidade do município, ofertando o melhor para os passageiros do sistema de transporte público. 


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se