Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Número de empregos em agências de viagens cresceu 4,8% em 2019

Segmento movimenta cerca de R$ 10 bilhões na economia por ano e emprega, ao todo, cerca de 65,7 mil pessoas

Número de empregos em agências de viagens cresceu 4,8% em 2019
Número de empregados aumentou em 4,4 mil, totalizando 65,7 mil pessoas trabalhando com o segmento | Arquivo MTur
Compartilhe

Número de empregados aumentou em 4,4 mil, totalizando 65,7 mil pessoas trabalhando com o segmento. Crédito: Arquivo/MTur

O ano de 2019 foi positivo para as agências de viagens do país. Isso porque, o número de empregos no segmento cresceu 4,8%, no ano passado. O índice representa um acréscimo de 4,4 mil ocupações, totalizando cerca de 65,7 mil pessoas que trabalhavam no Brasil com a venda de produtos turísticos. Os dados são da pesquisa de Caracterização do Setor de Agenciamento de Viagens, realizada pela Federação Nacional de Turismo (FENACTUR) e pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O Brasil tem cerca de 23 mil empresas no segmento, que movimentam cerca de R$ 10 bilhões na economia.

Para o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, o levantamento mostra a importância das agências de viagens para o setor e para a economia do país. “É muito bom ver esse crescimento do nosso setor no país, e especialmente, das agências de viagens que proporcionam positivamente tanto em lazer e entretenimento quanto em movimentação econômica. Nosso trabalho é exatamente esse: gerar emprego para milhares de brasileiros e fazer essa roda girar”, disse.

O levantamento trouxe ainda um perfil das vendas das agências no período. As passagens aéreas foram responsáveis por 42% do total comercializado por elas; seguido pelos pacotes turísticos, com 35% e, hospedagens, com 13%. Mais da metade das vendas (56%) foi realizada para pessoas físicas e os pacotes turísticos nacionais foram a preferência de 55% dos entrevistados. A pesquisa também mostrou que das mais de 23 mil empresas de agenciamento turístico, 51% delas estão concentradas na região Sudeste.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, destacou que o estudo é um material significativo para entender o tamanho da movimentação do setor e os impactos causados pela pandemia. “Um dos objetivos dessa parceria é justamente a realização de estudos técnicos que ajudem no desenvolvimento do turismo nacional, um setor de grande importância para o País e que foi um dos mais atingidos pela pandemia da Covid-19”, afirmou Tadros.

De acordo com o estudo, o segmento de agenciamento turístico é composto, quase em sua totalidade, por micro e pequenas empresas: 95% de todas as empresas do setor têm até dez trabalhadores diretos. (Por Por Victor Maciel)



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar