A Ópera da Serra da Capivara retorna em 2022 em sua quarta edição após dois anos suspensa devido às restrições impostas pela pandemia da Covid-19. O evento, que será realizado entre os dias 26 e 30 de julho, volta a iluminar o anfiteatro da Pedra Furada, no Parque Nacional Serra da Capivara, e a Praça do Abrigo, em São Raimundo Nonato. 

Este ano somam-se às atrações Roberta Sá, Dona Onete, Cordel do Fogo Encantado, Cátia de França, Ostiga Júnior e o DJ Gil Preto, à programação diversa da Ópera - um espetáculo multissensorial que reúne música, dança, teatro e iluminação artística, combinados com shows de artistas brasileiros e discotecagem moderna, que conferem à noite sertaneja ritmos, tons e sotaques de diferentes lugares do Brasil.

Evento volta volta a iluminar o anfiteatro da Pedra Furada, em São Raimundo Nonato | FOTO: Joaquim NetoEvento volta volta a iluminar o anfiteatro da Pedra Furada, em São Raimundo Nonato | FOTO: Joaquim Neto

Ato Niède Guidon

Desta vez, o ato principal das noites da Ópera trará como tema uma homenagem especial à Niède Guidon, arqueóloga franco-brasileira especializada em pré-história. Ela foi uma das responsáveis pela criação do Parque Nacional da Serra da Capivara e é um dos nomes mais atuantes na conservação e na manutenção de relíquias pré-históricas em solo brasileiro. 

Seus estudos no interior do Piauí datam desde a década de 1970, contribuindo não apenas para a criação do Parque, mas também com iniciativas educacionais e sociais para impulsionar o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida da população da região.

Ópera Serra da Capivara acontecerá de 26 a 30 de julho | FOTO: Joaquim NetoÓpera Serra da Capivara acontecerá de 26 a 30 de julho | FOTO: Joaquim Neto

Uma joia no sertão piauiense

O Parque Nacional da Serra da Capivara, criado em 1979, fica no sudeste do Piauí, ocupando parte dos municípios de São Raimundo Nonato, São João do Piauí, Canto do Buriti, Brejo do Piauí e Coronel José Dias. É considerado o território com o maior número de sítios arqueológicos das Américas. 

Lá existem mais de 1,3 mil registros pré-históricos da presença humana espalhados em 130 mil hectares de área. Por sua importância histórica e cultural foi classificado pela UNESCO como Patrimônio Mundial Cultural, em 1991, e tombado como Patrimônio Nacional pelo IPHAN (1993).

Em reportagem do The New York Times publicada em janeiro de 2022, o Parque foi o único destino turístico brasileiro citado dentre 52 lugares no mundo para se conhecer, e ainda classificado como "imperdível" pelo jornal americano.