Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Operador diz que tinha por ex-governador Cabral quase "idolatria"

O operador prestou depoimento nesta segunda-feira (18)

Operador diz que tinha por ex-governador Cabral quase "idolatria"
Luiz Carlos Bezerra e Sérgio Cabral/GNews | Reprodução/Globonews
Compartilhe
Google Whatsapp

Luiz Carlos Bezerra, ex-assessor de Sérgio Cabral (PMDB), e sua esposa, Claudia Bezerra, prestaram depoimento nesta segunda-feira (18) à 7ª Vara Federal Criminal do Rio, do juiz Marcelo Bretas. Bezerra confirmou que a empresa dele e da esposa, Claudia Bezerra, lavou cerca de R$ 1,2 milhão do esquema criminoso comandado pelo ex-governador.

Tanto Bezerra quanto a esposa disseram desconhecer a origem do dinheiro conseguido pelo ex-governador, que era um "salário informal" de Bezerra. O ex assessor disse ao magistrado que deveria ter perguntado a Cabral, mas talvez não o tenha feito por uma relação muito próxima.

"Sérgio Cabral sempre foi um amigo, tínhamos um relacionamento familiar. Chegava quase a idolatria, porque acompanhei de perto a trajetória dele. Tinha o maior respeito. Eu não sabia o que poderia ter de errado (com o recebimento de dinheiro em mãos como forma de salário). Tive minha parcela de culpa por não ter perguntado. Perdi um pouco a coisa do valor (ético)", afirmou.

Luiz Carlos Bezerra e Sérgio Cabral/GNews (Crédito: Reprodução/Globonews)
Luiz Carlos Bezerra e Sérgio Cabral/GNews (Crédito: Reprodução/Globonews)

No processo, o casal é acusado de lavar R$ 1,2 milhão em contratos fictícios através de uma empresa deles. O primeiro a ser ouvido pelo juiz Marcelo Bretas, titular da vara, foi o réu John O'Donell, cujas empresas teriam forjado as contratações da firma da família somente para gerar notas. Foram 109 pagamentos. Segundo O'Donell, nenhum serviço foi prestado.

No depoimento, ele disse que foi procurado por Bezerra em 2011. O assessor de Cabral levava o dinheiro em espécie ao empresário, que emitia a nota e transferia o montante após realizar os descontos. A intenção era dar uma aparência de legalidade ao valor.

Bezerra, que é amigo de infância do ex-governador, já havia dito que começou a trabalhar com ele na campanha de 1996, quando Cabral foi derrotado numa eleição para prefeito. E que voltou a trabalhar como operador na campanha de 2010 para reeleição de Cabral no governo do Estado.

Em cinco anos, ele diz ter movimentado R$ 37 milhões do grupo que, segundo o Ministerio Público Federal, era uma quadrilha liderada por Cabral.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Carregar os comentários (0)

comentários

fechar comentários
Nenhum comentário feito até o momento

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto