Pastor foi procurado por Suzane Richthofen para ser missionária

Euclides conta que conhece desde 2005 o noivo de Suzane.

O pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular de Itapetininga (SP), Euclides Vieira, afirmou que foi procurado por Suzane Richthofen e seu noivo, Rogério Olberg, em maio para aconselhar o casal sobre o desejo da detenta em ser missionária evangélica.

Euclides conta que conhece desde 2005 o noivo de Suzane - condenada a 39 anos de prisão pela morte dos pais - e passou a ter contato com a detenta há mais de um ano. Para o pastor, ela merece ter uma segunda chance.

“Eu conheço o noivo há mais de 10 anos, pois ele é membro da nossa igreja em Angatuba e sempre o aconselhei pastoralmente. Sei sobre o relacionamento dele com Suzane e da forma como ele a evangelizou por meio de cartas. Foi então que em 2016 a conheci e posso dizer que conheci uma Suzane diferente da que imaginava. Na última saída temporária, no Dias das Mães, ela falou firme e olhou nos meus olhos afirmando sobre o desejo de ser missionária. Falou franca comigo que queria falar de Deus para as pessoas e de como mudou. Eu disse que iria apoiar e indicar o caminho. Prepará-los”, afirmou o pastor.

Segundo Euclides, Suzane conheceu a igreja após se relacionar com Rogério Olberg, morador de Angatuba e que tem uma irmã presa em Tremembé.


“Ele a conheceu através da irmã que está presa e passou a evangelizá-la por cartas. Aí os dois se apaixonaram. A Suzane passou a frequentar os cultos que a Igreja Quadrangular faz na cadeia e até foi batizada. Eu acredito no poder de Deus, de que ela tenha sido liberta. Ela merece uma segunda chance. Todos merecem. Eu não a critico. Eu acolho. Eu conheci histórias de pessoas que mudaram e por que ela não pode também? Deus perdoa se ela se arrependeu”, afirma.

Missões

Euclides explica que o desejo de Suzane e do noivo é que ela possa contar o testemunho de sua mudança pelas igrejas do Brasil. O pastor explica que se ela tiver o direito da saída temporária do Dia dos Pais, no dia 13 de agosto, Suzane pode ter a primeira experiência para relatar seu ‘testemunho’ em uma casa de recuperação da região.

“O noivo veio me perguntar se teria essa possibilidade dela falar com o ex-usuários de drogas de uma casa e eu disse que sem problema. Se realmente ela sair no Dia dos Pais, ela deve falar com os ex-usuários e moradores de rua”, afirma.

O pastor explica que sobre ser missionária evangélica há um processo para que ela seja oficializada pela igreja.

“É necessário fazer um curso teológico por três anos, depois passar por entrevistas e ter indicação de um pastor. Ao longo desse período vou acompanhando e vendo realmente se ela mudou, se está pronta. Se tudo estiver certo, não vejo motivo para ela não ser. Eu creio no amor e poder do evangelho. Só falei para ela e o noivo que precisam se preparar para a rejeição e serem fortes”, afirma.

Fonte: Com informações do G1
logomarca do portal meionorte..com