Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Pesquisadores associam ingestão de vitamina D à prevenção do novo

Instituições cientificas renomadas como a Royal Society recomendaram ao governo reforço junto à população britânica sobre uso diário de vitamina

Compartilhe


Três instituições de saúde da Inglaterra, incluindo a The Royal Society, principal instituição científica do país, recomendaram ao governo britânico a divulgação para a população de informações sobre a importância da manutenção de bons níveis vitamina D no sangue para a prevenção das infecções respiratórias, em especial da Covid-19.

A orientação formal também partiu de especialistas do National Institute for Health and Care Excellence e da Scientific Advisory Commission on Nutrition. Recentemente, um estudo científico¹ publicado na Aging Clinical and Experimental Research relacionou a taxa de mortalidade de Covid-19 com o baixo nível de vitamina D da população de 20 países da Europa, incluindo o próprio Reino Unido, além de Espanha, Itália e França, regiões que apresentaram os maiores números de mortes por Covid-19 no continente.

A ideia de fazer o cruzamento dos dados mortalidade por Covid-19 e dosagem de vitamina D no sangue veio de duas observações: que na população atingida haviam muitos idosos - grupo que frequentemente apresenta deficiência de vitamina D; estudos anteriores que mostravam a importância da vitamina D na prevenção de infecções agudas do trato respiratório, explicam os pesquisadores.

Como ainda não há nenhum tratamento, medicamento ou vacina contra a Covid-19, os especialistas em vitamina D têm procurado contribuir com estudos científicos sobre o eventual papel deste pré-hormônio, como imunomodulador na proteção contra a doença.

Reprodução internet

"Nos 20 países europeus avaliados foram detectados na população níveis médios de vitamina D de 22,4 ng/ml, considerados baixos. Segundo os pesquisadores, estudos anteriores já relatavam uma situação mais grave entre os idosos, com níveis de 10,4 ng/ml na Espanha, 11,2 ng/ml na Itália e 18 ng/ml nos países nórdicos. Considerando que a população idosa pertence ao grupo de risco, os níveis desejados seriam de 30-60 ng/ml", explica o médico Odair Albano.



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar