Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

PF e Receita iniciam megaoperação de combate ao narcotráfico

Dinheiro veio de sequestros de aeronaves, imóveis e veículos de luxo e de tráfico internacional

Compartilhe

A megaoperação realizada nesta semana por parte da PF (Polícia Federal) e da Receita Federal contra o tráfico de drogas marcou o início de uma cooperação inédita entre as autoridades brasileiras e a Europol, a Agência da União Europeia para Cooperação Policial, com sede na Holanda. Com informações do Uol.

A PF teve entre os seus objetivos o sequestro de bens do tráfico avaliados em aproximadamente R$ 1 bilhão. Batizada de Enterprise, a ação ocorreu em 10 estados brasileiros e diversos países. De acordo a PF, foram alvos dos sequestros aeronaves, imóveis e veículos de luxo, com a expectativa de que novos bens sejam identificados.

Para a PF, a ação está sendo a maior da história do combate à lavagem de dinheiro, mas é apenas a primeira de uma onda de iniciativas e operações que devem surgir nos próximos meses como resultado da cooperação internacional.

Policial Federal em uma das operações da PF contra lavagem de dinheiro internacional-Foto: Divulgação/PF Desde setembro, o ex-superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi, opera a partir da sede da Europol e servindo como oficial de ligação do país.

Sua presença é resultado de um acordo entre o Brasil e a agência europeia. O tratado de cooperação foi assinado em 2017, como parte de um acordo estratégico. Para entrar em vigor, o tratado teve de ser ratificado pelo Congresso e promulgado pelo Executivo.

 Foi apenas em meados de 2020, portanto, que o entendimento entrou em vigor. O tratado previa, então, que o Brasil pudesse enviar um representante para atuar em Haia.

Europol avalia manter oficial no Brasil

 A Europol poderá também mandar um oficial ao Brasil, mas tal missão ainda não foi efetivada. Os europeus devem designar um representante para um período de testes e avaliar se uma presença constante seria necessária.

Em Haia, Saadi trabalha dentro do prédio da Europol, onde o Brasil ganhou um escritório ao lado dos demais países. A presença facilita o contato com outras polícias e a troca de informações entre oficiais que, em certos casos, estão num mesmo corredor. 

Existe ainda um sistema pelo qual o representante brasileiro envia os dados que necessita aos demais países.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar