Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

PF extradita espanhol condenado a 193 anos de prisão por massacre

Extradição foi autorizada pelo STF em 2019. Carlos Garcia Juliá foi condenado por cinco mortes no Massacre de Atocha, em Madri, em 1977.

Compartilhe
Google Whatsapp

A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (6) a extradição para a Espanha de Carlos Garcia Juliá, condenado a 193 anos de prisão na Espanha país por ter participado de um atentado terrorista conhecido por “Massacre de Atocha”, em 1977.

A extradição dele havia sido autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em agosto de 2019.

Garcia Juliá e outros dois homens que integravam um grupo de extremista contrarrevolucionário de direita “Falange Espanhola”, contrário a movimentos sindicais, invadiram um escritório de advocacia trabalhista em Madri e mataram a tiros cinco pessoas. Outras quatro ficaram feridas no ataque.

Juliá chegou a ser preso e a cumpriu pelo menos 14 anos de prisão na Espanha mas, quando obteve liberdade condicional, fugiu para a América do Sul.

Em dezembro de 2018, em cooperação com a Polícia Nacional da Espanha, a Polícia Federal localizou e prendeu o foragido em São Paulo, devido ao pedido de extradição que havia sido feito pelo governo espanhol. Ele usava documentos falsos em nome de um cidadão venezuelano.

No STF, a defesa dele alegou que os crimes foram cometidos por motivação política, o que impossibilitaria a extradição, conforme a Constituição brasileira, e que o extraditando foi condenado por tribunal de exceção. A ministra Cármen Lúcia, relatora do caso, entendeu, porém, que os fatos relatados na sentença da Espanha não refletiam ato político.

Também está sendo feita nesta quinta a extradição, para os Estados Unidos, do cidadão ítalo-britânico Mark Anthony Fisicaro, réu em processo que apura a prática de tráfico transnacional de drogas.

Entre janeiro e abril de 2017, ele teria feito cinco importações ilegais de ecstasy para a Flórida e foi preso pela Polícia Federal no Aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, em abril de 2019, quando estava em trânsito de Porto Seguro, na Bahia, para Londres.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar