PI: Educação avança no combate ao analfabetismo e à evasão escolar

O Piauí tem conseguido uma rápida evolução nas matrículas na EJA

A educação pública estadual do Piauí tem avançado de forma constante nos últimos dois anos. O crescimento apresentado de 2015 até agora evidencia o compromisso do Governo do Estado em manter todos os índices educacionais sempre acima das metas estipuladas.

Com mais de 263 mil alunos matriculados, a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) vem reduzindo os números de evasão escolar e analfabetismo com diversas ações. Nesse ponto, o Piauí tem avançado na correção de um problema histórico que atrasa o desenvolvimento do estado, o analfabetismo. Em 2016, as matrículas para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) apresentaram crescimento de 127% e a meta para esse ano é alcançar as 200 mil matrículas, sendo 50 mil para a fase de alfabetização.


O último levantamento da Organização das Nações Unidas referente à educação, ciência e cultura (Unesco) aponta um total de 13 milhões de analfabetos no Brasil. Segundo a ONU, o país tem diminuído a oferta de matrículas e investimentos direcionados ao combate do analfabetismo. Em direção contrária a esses índices, o Piauí tem conseguido uma rápida evolução nas matrículas na EJA na rede estadual de ensino. Em 2014, foram 35 mil matrículas; 45 mil em 2015; e 100 mil novos alunos em 2016.

"A iniciativa da Seduc de melhorar a demanda por Educação de Jovens e Adultos é de importância crucial e se situa dentro do espírito que inspira várias estratégias do Plano Nacional de Educação. Destacamos o diagnóstico dos que têm Ensino Fundamental e Médio incompletos, para identificar a demanda ativa por vagas e realizar chamadas públicas regulares para a EJA e, assim, promover a busca ativa em regime de colaboração entre entes federados e em parceria com organizações da sociedade civil", explica a diretora da Unidade de Educação de Jovens e Adultos da Seduc, Conceição Andrade.

Evasão escolar

Com relação à evasão escolar, o problema tem sido superado com a ajuda da tecnologia. Integrando consultoria tecnológica e pedagógica de acompanhamento escolar, o sistema Mobieduca.me traz grandes benefícios para a educação no estado, combatendo a evasão escolar e o bullying.

Até 2016, a tecnologia estava presente em 127 escolas. No início deste ano de 2017, mais de 335 escolas possuem este benefício. De acordo com a secretária da Educação, Rejane Dias, até o fim do ano, mais de 150 mil alunos estarão cobertos com essa tecnologia em todo o Piauí.


"O Mobieduca.me é uma ferramenta fundamental para a gestão escolar, tanto que nas escolas que a possuem, houve a diminuição de 75% de evasão dos alunos. Outro ponto de destaque é a integração entre escola, família e comunidade, a queda na infrequência de professores e gestores, entre tantos outros benefícios", afirma a secretária Rejane Dias.


Alguns fatores de sucesso do Mobieduca.me estão relacionados ao baixo custo de manutenção dos equipamentos e serviços; a utilização de infraestrutura existente na escola, sem necessidade de reformas ou adaptações e a utilização de recursos humanos existentes na unidade, com necessidades de treinamento mínimo.

Outra ferramenta de combate à evasão é o programa Poupança Jovem, no qual os estudantes recebem, durante o Ensino Médio, uma bolsa de 1.500 reais. "O Poupança Jovem causou uma mobilização e fez com que os estudantes se sentissem mais incentivados a concluir o ensino", diz Rejane Dias. O programa é executado nas 44 cidades do Piauí com pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).


Pelo programa, ao concluir o primeiro ano, o estudante recebe R$ 400. As demais parcelas são de R$ 500 no segundo ano e R$ 600 no último ano do Ensino Médio. O estudante ou responsável tem o direito de retirar 40% de cada um dos dois primeiros depósitos efetuados. Somente a última parcela pode ser retirada integralmente junto com o saldo remanescente das anteriores e os rendimentos. Para receber cada pagamento, o aluno precisa ser aprovado ao fim do ano.


Os recursos são disponibilizados por meio de empréstimo com o Banco Mundial e a operacionalização por convênio com o Banco do Brasil. No total, serão utilizados R$ 35,5 milhões para executar o programa entre os anos de 2015 e 2019.

Enem

Com 8 mil alunos aprovados no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016, a Seduc também tem demonstrado os resultados dos preparatórios para o exame. Por meio do Pré-Enem, programa da Seduc, lançado em abril de 2016, foram realizadas ações que atenderam milhares de alunos de toda rede estadual.


A Seduc garantiu revisões na capital e no interior, além das aulas ministradas via Canal Educação, que chegaram aos municípios mais distantes. Os alunos da capital e do interior também tiveram acesso gratuito ao sistema de transporte coletivo para irem até seus locais de prova, por meio da campanha Passe Livre. Além disso, as Gerências Regionais de Educação mobilizaram equipes para recepcionar os alunos nos maiores pontos de aplicação de provas de todo o estado. O objetivo era incentivar e tirar as últimas dúvidas sobre as aplicações das provas.

"Em 2016, trabalhamos em várias frentes para melhor preparar nosso alunado e dar iguais condições de concorrência. Tivemos várias revisões na capital e no interior, criamos um aplicativo com o objetivo de reforçar o conteúdo, o Canal Educação levou aulas para todo o Piauí e inovamos com o Passe Livre Estudantil, que garantiu ao aluno, principalmente o mais carente, acesso ao local de prova", explica a secretária Rejane Dias.

Infraestrutura

Um dos compromissos da secretária Rejane Dias ao assumir a pasta foi melhorar a estrutura física das escolas públicas estaduais, visto que muitas se encontravam em estado de abandono e deterioração.

Com mais de R$ 135.500.00 investidos, a Seduc já concluiu 188 obras das 324 que estavam em andamento. Essas obras foram construção de novas escolas técnicas e profissionalizantes, ampliação de polos da Universidade Aberta (UAB), construção e reforma de quadras poliesportivas, além de obras estruturantes voltadas à parte elétrica, hidráulica, instalação de caixas d'água, recuperação de telhado, de muros, recuperação de lajes e demais serviços de engenharia.

O gerente de Engenharia da Seduc, Alex Fabiano, ressalta o trabalho da Seduc na execução de obras com recursos próprios. "É com muito esforço que a Seduc realiza grandes investimentos por todo o estado com recursos do Tesouro Estadual. São obras que mudam a realidade dos alunos e garantem um ambiente adequado aos estudos", afirmou Alex.

Fazendo mais investimentos na infraestrutura escolar, a Seduc dá prosseguimento a 136 obras, dentre elas a construção de novas unidades de ensino, reforma e ampliação de vários centros educacionais, construção de quadras poliesportivas cobertas e equipadas com vestiários e melhorias na parte externa e interna das escolas.

Estes empreendimentos estão em pleno andamento nas cidades de Teresina, Jaicós, Santa Filomena, Pedro II, Piracuruca, São João da Fronteira, Água Branca, Brasileira, Floriano, Parnaíba, Curimatá, Padre Marcos, Picos, Campinas do Piauí, Valença do Piauí, Monsenhor Gil, Campo Maior, União, Altos, São Miguel do Tapuio, Amarante, São José do Peixe, Ipiranga, Cristino Castro, Piripiri, Redenção do Gurguéia, Santa Cruz dos Milagres, Lagoa do Sítio e Francinópolis.

A Seduc investe também na reestruturação de Centros Especializados que atendem às pessoas com deficiência. Em Teresina, o Centro de Estimulação Sensorial para Crianças vai ganhar quadra, a Associação de Amigos dos Autistas do Piauí (AMA) terá uma piscina e a Associação dos Cegos e o Centro Integrado de Educação Especial (Cies) também serão beneficiados com melhorias.

“Nossas escolas atendem um número significativo de alunos e temos que ter esse cuidado com a melhoria das estruturas para que elas se tornem ambientes atrativos, além de podermos estimular o esporte e a cultura para evitar a evasão e a reprovação," afirmou a secretária Rejane Dias. 


Fonte: Com informações do Portal do Governo
logomarca do portal meionorte..com