Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

PI tem operações no valor de R$ 400 milhões por ano

Recursos foram importantes para a realização de grandes obras, sobretudo em Teresina como Rodoanel, o viaduto da Miguel Rosa e duplicação das Brs.

Compartilhe
Google Whatsapp

Mais do que planejar o orçamento do Estado, a Secretaria de Estado do Planejamento (Seplan) do Piauí, coordena as operações de crédito junto aos órgãos executores. Essa importante missão foi conquistada com o tempo. O trabalho da Seplan começou muito timidamente em 2009, quando houve um contrato com o BNDES e surgiu a necessidade da criação de uma área que fizesse a interface entre os bancos e os órgãos executores, foi quando a superintendência assumiu essa função e a equipe foi se destacando pelo trabalho de excelência, integrando atualmente a estrutura formal do governo, devido a sua relevância.

Crédito: José Alves Filho

“De 2009 até hoje, o Piauí possui uma média de operações de crédito anual no valor de R$ 400 milhões entrando no estado. Anteriormente essa média era de R$ 37 milhões, por isso, o governo conseguiu fazer grandes obras como o Rodoanel, o viaduto da Miguel Rosa e está em andamento com a duplicação das BRs e adutora do litoral. Além disso, estamos com quatro operações já aprovadas para execução”, esclarece Edilene Facundes, Superintendente de Orçamento e Operações Financeiras da Seplan.

Entre as quatro operações de crédito que totalizam mais de R$ 2 bilhões, destaca-se a operação de crédito de R$ 1,5 bilhão, para obras de infraestrutura com recursos do Banco Plural, que é de São Paulo, outra prevê recursos de até 115 milhões de dólares, com o FIDA e o BID, para um consórcio do Banco Interamericano de Desenvolvimento com o Fundo de Apoio ao Desenvolvimento da Área Agraria. Além de uma operação mais recente de R$ 100 milhões junto ao Banco do Brasil, que oportunizou uma carteira de investimento para o Estado com a finalidade de compra de equipamentos para a Polícia Militar, para o Corpo de Bombeiros e para a secretaria de Segurança.

Esses resultados positivos para o estado do Piauí representam um aumento de investimentos e foram obtidos em uma década da criação dessa superintendência, responsável por fazer a análise de todos os projetos que darão origem as operações de crédito. Atualmente a equipe formada por economistas, sociólogos e administradores trabalham com uma carteira de crédito no valor de R$ 6 bilhões para serem aplicados, sobretudo, em obras de infraestrutura, caso as operações sejam aprovadas.


Estado tem boa capacidade para pagamento de dívidas.

Além de fazer o monitoramento das obras realizadas pelo Governo Estadual, a Seplan organiza as operações de crédito com bancos internos e externos, entre eles o FINISA. Edilene Facundes ressalta ainda que os estados sempre lançaram mão de operações de crédito e que o Piauí se destaca entre 11 estados da Federação com crédito para tirar novas operações devido ao seu bom indicador e capacidade de pagamento.

Crédito: José Alves Filho

“Todos nós quando precisamos comprar algo que não conseguimos apenas com o nosso salário, utilizamos o financiamento a longo prazo e assim os estados fazem porque os recursos próprios são insuficientes. Os recursos que são arrecadados são majoritariamente alocados em folha de pagamento, custeio da máquina e previdência, sobrando muito pouco para os investimentos, então o estado lança mão da operação de crédito para poder fazer o investimento em obras estruturantes. As demandas são muito grandes, para se ter uma ideia nós temos uma carteira atualizada de projetos na Seplan no valor de R$ 6 bilhões, esperando recurso para financiar e onde o estado vai conseguir esses recursos se não por meio das operações de crédito ou AGU?”, destacou.

A Seplan também tem realizado reunião com a Secretaria da infraestrutura (Seinfra) e com a Secretaria da Saúde (Sesapi), como parte das atividades de monitoramento das obras e ações do Governo do Estado. A proposta é que as reuniões de monitoramento ocorram mensalmente com todos os órgãos, detectando problemas que possam vir a atrasar o andamento das obras, procurando soluções com mais agilidade.

“O indicador para aferir a capacidade de endividamento dos entes que desejam tirar uma operação de crédito é o da Dívida Consolidada Líquida e Receita Corrente Líquida. Em 2002, essa relação era de 60,62%, ou seja, a dívida líquida correspondia a 164% da corrente líquida do Estado, mas esse indicador vem caindo ao longo do tempo e hoje a margem de endividamento é de apenas 50%. Pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o limite máximo de comprometimento é de 200%, logo o Piauí está com uma boa margem de folga para novas operações e capacidade de pagamento”, acrescentou Edilene.

O andamento de cada uma das obras e ações do Governo do Estado pode ser acompanhado pelo Sistema de Monitoramento de Obras e Ações (Simo) do Governo do Estado, que é coordenado pela Secretaria do Planejamento e permite avaliar dados como recursos financeiros, dados do cronograma da obra, previsão de conclusão e número de pessoas envolvidas em cada uma delas. (W.B.)


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar