Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Piauí é o 2° com índices de crianças sem registro civil

No município de Manoel Emídio, a taxa de subregistro foi de 90,70%

Compartilhe

O Piauí ocupa o segundo lugar entre os Estados do Brasil com maiores índices de sub-registro civil. com 33,7%, segundo dados de 2006, quan-

do o Estado com maior índice, Roraima, tem percentual de 42,8%. Em terceiro lugar vem Alagoas, com taxa de 32,6%.

O governador Wellington Dias (PT) afirmou que por ser um dos índices mais altos do Brasil, o Piauí vai se integrar amanhã à Semana Nacional de

Mobilização para o registro civil de nascimento e documentação básica, que será lançada no anfiteatro da Assembléia Legislativa, pelo secretá-

rio nacional dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi.

A coordenadora do Projeto Registrar no Piauí, Ana Teresa Neves de Sousa, afirmou que em alguns municípios, como São Gonçalo do

Piauí, têm taxa de sub-registro civil de 92,62%.

No município de Manoel Emídio, a taxa de subregistro foi de 90,70%; a de Curimatá ficou em 90,06%. A taxa mais alta foi encontrada no município de Santa Luz, que ficou com taxa de 94,44%. Ana Teresa informou

que em Teresina, a capital, a taxa também é alta. A taxa de sub-registro na capital é de 78,54%. Em Parnaíba, a segunda maior cidade do Estado, o

subregistro ficou em 68,54.

Foi lançada anteontem em Foz do Iguaçu (PR) a Campanha Nacional de

Combate ao Sub-Registro. O objetivo principal é estimular a emissão do registro civil de nascimento, mas também orientar a população sobre a emissão de documentos RG, CPF e Carteira de Trabalho e Previdência Social.

Dados do IBGE indicam que todos os anos cerca de 500 mil bebês permanecem sem certidão de nascimento até o primeiro ano de idade.

Esse número representa cerca de 8% dos nascimentos realizados nos hospitais brasileiros, acima do índice de 6% considerado mínimo pela Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) e pelo Unicef para erradicação do sub-registro. A falta de registro aumenta, principalmente, nos municípios do interior, já que em quase todas as capitais do país, o registro é feito no próprio hospital onde a criança nasce.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar