Os municípios piauienses têm um grande desafio no cumprimento da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, com o prazo para a extinção dos lixões até 2024. Ainda distante da universalização desta meta, há um prejuízo evidente no meio ambiente com a destinação incorreta dos resíduos, ademais quando observa-se o montante de lixo produzido no Piauí.

Dados organizados pela plataforma Meu Resíduo, retirados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), pontuam que o Piauí produz cerca de 1,115 milhão de toneladas de lixo anualmente.

De acordo com o estudo, existem 111 Unidades de Destino Final cadastradas na base de dados do SNIS no Estado, onde 73,87% são Lixões, 17,12% são Aterros Controlados. Aterros Sanitários somam 2,70%. E 1,80% são Valas específicas de RSS. Os dados referem-se ao ano de 2019 e são os mais recentes apontados pela plataforma.

Para se ter ideia da dimensão dessa quantidade de resíduos a transformação dessa quantidade seria igual a 1.013.987 carros populares.

Desde 2012 o Piauí conta com a expertise da Sterlix Ambiental e Raiz Soluções em Resíduos, vinculada ao Grupo Natus, fomentando a gestão de resíduos de maneira eficiente e segura, sem danos ambientais e observando os parâmetros exigidos na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Nesse âmbito, o coordenador de Engenharia, Segurança e Meio Ambiente da empresa, Rafael Marques, reitera a importância de se ampliar a conscientização quanto à gestão dos resíduos e relata os riscos inerentes ao descarte incorreto do lixo, pontuando a relevância do cumprimento dos parâmetros da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) para uma proteção mais efetiva do meio ambiente.

Resíduos sólidos devem ser dispensados corretamente (Foto: Marcello Casal Jr.)Resíduos sólidos devem ser dispensados corretamente (Foto: Marcello Casal Jr.)"Os danos dessa prática são incalculáveis, dentre os principais estão a contaminação do solo, a poluição do ar e os riscos à saúde pública. O descarte inadequado de lixo também leva à formação de ilhas de lixo nos rios, prejudicando a sobrevivência da fauna e flora de diversas regiões", explica.

De acordo com Rafael Marques, os efeitos podem ser sentidos por muito tempo, visto que alguns materiais, como o plástico, demoram centenas de anos para se decompor. Outro problema causado pelo descarte de lixo nos rios é a proliferação de insetos vetores de doenças, como o Aedes aegypti, que causa a dengue, a zica e a chikungunya. "Isso ocorre devido ao acúmulo de água parada no lixo, formando o criadouro ideal para esse mosquito", pontua.