Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Polícia investiga Baleia Azul e caso de jovem que caiu de prédio

Hoje, a delegacia vai começar a investigar 101 denúncias.

Polícia investiga Baleia Azul e caso de jovem que caiu de prédio
baleia azul | Reprodução
Compartilhe
Google Whatsapp

A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) vai investigar se o caso de uma jovem de 25 anos, que caiu no último sábado do segundo andar de um prédio na Rua de Santana, no Centro do Rio, teria ligação com o jogo Baleia Azul.

De acordo com uma testemunha, a jovem teria ficado sentada no parapeito da janela antes de despencar. Uma das tarefas do desafio é ir para um telhado e sentar-se na borda com as pernas penduradas.

A jovem, que seria de Goiás, foi levada para o Hospital Municipal Souza Aguiar, também no Centro. De acordo com a Secretaria municipal de Saúde, seu estado de saúde é estável.

Segundo a delegada Fernanda Fernandes, da DRCI, será encaminhado um ofício para secretaria de saúde para obter informações sobre o caso. “Neste momento, temos que ficar atentos a todos os casos”, afirma a delegada.

Hoje, a delegacia vai começar a investigar 101 denúncias que dão conta de possíveis envolvimentos de adolescentes com o Baleia Azul no Rio. O jogo que conta com 50 desafios e estimula o suicídio do jogador. Em alguns casos, as denúncias apontam que aliciadores utilizam telefones de outros estados como Rio Grande do Sul e Pernambuco para fazer contato com os jovens nas redes sociais.

As informações foram recebidas pelo Disque-Denúncia (2253-1177) e repassadas à delegacia especializada. Todo o material passará por uma triagem para saber se o conteúdo é verdadeiro ou não.

Até agora, dois casos foram confirmados pela Polícia Civil. Duas adolescentes de 14 e 15 anos, uma moradora do interior do Rio e outra na Zona Oeste da capital , foram mesmo cooptadas por curadores. Elas contaram, em depoimento, que buscaram informações em redes sociais.

Um terceiro caso, de um adolescente autista de 13 anos, que chegou à escola com cortes nos braços, foi informado pela Secretaria municipal de Duque de Caxias. No entanto, ainda não foi notificado oficialmente para DRCI.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Carregar os comentários (0)

comentários

fechar comentários
Nenhum comentário feito até o momento

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto