Acusado de matar PM dentro de delegacia diz ter sido torturado

A audiência do acusado foi feita ontem.

Na tarde desta quinta-feira (28/09), aconteceu no Fórum Helvídio Nunes, município de Picos, a audiência de julgamento de Wagner Bezerra Lima, acusado de matar o cabo da Polícia Militar Daniel Marcos Ferreira da Silva, que foi assassinado a tiros no dia 11 de maio deste ano, aos 48 anos, na sede do Grupamento da Polícia Militar de Paquetá do Piauí.

Na audiência que foi conduzida pela juíza titular da 5º Vara da Comarca de Picos, Nilcimar Rodrigues de Araújo Carvalho foram ouvidos testemunhas de defesa, acusação e o réu.

Wagner Lima está sendo acusado pelos crimes de homicídio qualificado, furto e porte ilegal de arma de fogo.

O advogado Pedro Marinho, assistente de acusação, disse que a audiência transcorreu de forma satisfatória. “Deu para exaurir com clareza o que aconteceu, ficou tudo muito claro, a dinâmica dos fatos, e agora é aguardar o que ainda falta: duas perícias que foram requeridas — a juíza determinou um prazo de cinco dias para que sejam juntados — e aí é aguardar a pronúncia”, explica. A perícia requerida diz respeito a uma das armas de fogo encontradas com o suspeito e às munições que foram retiradas do corpo do militar.

Audiência foi realizada ontem (Crédito: Reprodução)
Audiência foi realizada ontem (Crédito: Reprodução)

“O acusado tenta alegar, aparentemente, uma legítima defesa, mas que não se sustenta pelo contexto fático, por tudo o que foi apurado […] É um direito que ele tem de alegar, de se defender, porém, analisando o contexto fático como um todo, não tem razoabilidade”, avalia Pedro Marinho, acrescentando esperar que o réu seja pronunciado e encaminhado para o Júri Popular.

Sobre a tese de legítima defesa, o promotor Sebastião Jackson diz que o depoimento não foi claro. “Não ficou bem claro qual a tese que ele alegou. No depoimento ele diz que não se recorda, que nao lembra de algumas coisas e que teria sido agredido pelo policial, mas o que o juiz e o Ministério Público vão levar em conta é o conjunto das provas”, assegura.

Segundo o promotor, a juiza Nilcimar Carvalho solicitou a apuração da denúncia do acusado de que teria sofrido tortura.

Criminoso foi capturado dias depois (Crédito: Reprodução)
Criminoso foi capturado dias depois (Crédito: Reprodução)
Policial foi morto este ano (Crédito: Reprodução)
Policial foi morto este ano (Crédito: Reprodução)



Fonte: Com informações do grandepicos
logomarca do portal meionorte..com