'Armação', diz pai suspeito de usar chicote para torturar família

A adolescente fugiu de casa e ficou cinco dias desaparecida.

A adolescente Gloria Maria de Souza Rocha, de 17 anos, procurou a Vara da Infância e da Juventude de Santos, no litoral de São Paulo, para denunciar o próprio pai, escritor Joselito Oliveira Rocha, de 40 anos, por agressão. Em depoimento, ela afirmou que o pai tem um chicote em casa e que o utilizava para agredir ela e a mãe.

O escritor, no entanto, nega todas as acusações. "Minha filha nunca levou um soco ou um tapa. Eu corrigia, mas sem agressão e não tenho nada para esconder. Tudo isso é uma armação que a Erika está fazendo", disse, ao acrescentar: "A minha filha teve um surto. Eu nunca espanquei ela. Ela inventou todas as histórias para ter a liberdade dela".

Joselito Oliveira Rocha e a esposa negam as acusações
Joselito Oliveira Rocha e a esposa negam as acusações

Questionado sobre o uso do chicote, Joselito afirmou: "Você pode procurar aqui que não vai encontrar esse chicote. Disseram que eu batia com ele nelas (mãe e filha) e nos meninos que vivem conosco, mas isso também não é verdade".

Gloria fugiu de casa, ficou cinco dias desaparecida, foi localizada e voltou para a família contra a vontade. A jovem, entretanto, afirma ser vítima de violência doméstica e com a ajuda da irmã, Erika Cristina Carballo, de 23 anos, que também acusa Joselito de agressão. 

Segundo Joselito, a família tem "regras" e isso foi o que motivou a filha a revelar uma "rebeldia" que até então ele e a esposa, Maria José de Souza Franklin, de 44 anos, dizem não ter conhecido. A mulher, bastante abalada, diz desconhecer tais agressões. 

"Ela disse que eu era agredida. Isso nunca existiu e eu nunca fui agredida. Nem ela. O meu maior erro foi ter mimado ela demais. Meu coração hoje está sangrando e eu só quero que ela volte para a gente. Eu vou perdoá-la, sim", contou Maria José. 

Gloria e Erika são irmãs por parte de mãe e se reencontraram após 16 anos, após um pedido de ajuda da adolescente na internet. A Justiça decidiu por tirar a guarda da primeira filha de Maria por maus-tratos. Uma queimadura com ferro de passar roupas, atribuída ao padrasto, foi o que motivou a decisão naquela ocasião.

O casal afirma que vai se apresentar à polícia nos próximos dias para esclarecer os fatos. Joselito disse que vai processar as pessoas que o "difamaram na internet". "Estou sentindo agora um desgosto pelo o que ela fez. Mas ela é minha filha e quero que ela se retrate publicamente. Vou perdoá-la e a quero em casa".



Fonte: Com informações do G1
logomarca do portal meionorte..com