Comandante do BOPE sobre cabo morto: 'Tinha espírito de proteger'

Claudemir Sousa foi executado com cinco tiros na terça-feira (06).

Na tarde de quarta-feira, dia 07, ocorreu o sepultamento do cabo Claudemir Sousa, do Batalhão de Operações Especiais (Bope), executado com cinco tiros de pistola por volta das 21h30, no momento em que saía de uma academia na avenida Principal do conjunto Sacy, na zona Sul de Teresina. O seis suspeitos de cometer o crime que teria tido motivação passional já estão todos presos

O atual comandante do Batalhão de Operações Especiais do Piauí (Bope), major James Sean, oficial da Polícia Militar há 20 anos, lamentou a morte do colega de trabalho e falou sobre a trajetória do policial dentro da corporação.

"Nós acompanhamos o Claudemir desde seu ingresso no Concurso da Polícia Militar, em 2008. Então, nós fomos instrutores dele e no início logo observamos no Claudemir esse espírito de bem servir e proteger a sociedade", afirmou.

Segundo o comandante, o cablo Claudemir chegou a fazer parte da Força Nacional. "Ele fez o curso do BOPE. Então, nós passamos a trabalhar juntos por durante quatro anos nas missões específicas e posteriormente ele foi selecionado para fazer parte da Força Nacional", acrescentou. 

Claudemir Sousa, do Batalhão de Operações Especiais (Bope)
Claudemir Sousa, do Batalhão de Operações Especiais (Bope)
major James Sean
Comandante do BOPE, James Sean



Fonte: Portal Meio Norte