Deficiente intelectual é estuprada durante assalto em São Paulo

A mãe da vítima de abuso sexual também foi ameaçada.

Uma deficiente intelectual foi abusada sexualmente por um ajudante geral de 26 anos, em Guarujá, no litoral de São Paulo. O crime ocorreu após o rapaz invadir a casa onde a vítima do estupro mora com a mãe, no bairro Jardim Guaiuba. Acionados, soldados da Polícia Militar conseguiram prendê-lo em flagrante.

De acordo com informações da polícia, o suspeito foi identificado como Thiago Henrique Campos. Ele mora na mesma cidade, no bairro Vila Julia, e, a princípio, não tinha passagem criminal. Durante depoimento, ele não conseguiu deixar claro a razão de ter abusado da mulher, já que, a princípio, ele disse que queria apenas roubar objetos do local.

Conforme registro do boletim de ocorrência, o suspeito invadiu a casa, após pular o muro, e abordou a dona do imóvel, uma comerciante de 59 anos. Ele fez constantes ameaças e a mulher acabou entregando R$ 2 mil em dinheiro que guardava em um dos cômodos. A quantia, no entanto, não o agradou.

Thiago, ainda segundo o relato à polícia, encontrou a filha da comerciante dormindo em um quarto. Ele passou a ameaçá-la de morte e trancou-se com a vítima, que é deficiente, em um quarto, onde praticou o estupro. Acuada e também ameaçada, a mãe não pode intervir, mas conseguiu fugir para pedir ajuda.

Nas proximidades da residência, localiza-se o 21º Batalhão da Polícia Militar. Ela relatou o ocorrido aos policiais de plantão, que foram até o imóvel e depararam-se com Thiago sem roupas correndo atrás da vítima, que havia escapado do cômodo após o estupro ter acontecido. Ela procurava por ajuda.

Os policiais detiveram o suspeito e o encaminharam à Delegacia Sede da cidade. Antes de ser flagrado, ele havia separado eletrônicos da casa para poder levar. Thiago não apresentou resistência, mas no distrito policial, também preferiu não se pronunciar. Ele foi indiciado por roubo e estupro de vulnerável.

As vítimas, em depoimento, confirmaram os crimes. A pedido do delegado, a deficiente intelectual foi submetida a exame no Instituto Médico Legal (IML), onde o médico confirmou o estupro. O homem permaneceu preso na Cadeia Pública anexa ao 1º Distrito Policial, onde ficou à disposição da Justiça.

Fonte: Com informações do G1