Família de jovem morta em escola nega que tenha sido bala perdida

A família acredita que tenha sido execução.

Os irmãos da adolescente de 13 anos que morreu após ser baleada dentro da Escola Municipal Jornalista Daniel Piza, em Fazenda Botafogo, Zona Norte do Rio, estiveram no Instituto Médico-Legal (IML) na manhã desta sexta-feira (31) para reconhecer e liberar o corpo da menina para o enterro.

"Quando foi ontem de tarde, eu soube dessa notícia, essa notícia horrorosa, que ninguém gosta de ouvir, que a minha irmã foi baleada. Foi morta dentro de um colégio. É muito doloroso", lamentou a irmã da vítima, Daniela da Conceição.

A família de Maria Eduarda Alves diz que a morte de jovem pode ter sido uma execução pois, segundo o irmão que fez o reconhecimento do corpo, havia quatro marcas de perfurações.

“Como que é uma bala perdida, com quatro perfurações no corpo da minha irmã? Bala perdida é se fosse um tiro. Foi uma execução. Eles executaram dois meliantes e ainda executaram a minha irmã”, disse o irmão Uidison Alves.

Os irmãos ainda não têm detalhes sobre o que aconteceu na tarde de quinta-feira e aguardam esclarecimentos da polícia.

“Eu gostaria de entender o que realmente aconteceu. A gente espera que venha ter ajuda de alguém, pra poder ter um esclarecimento. A gente não sabe realmente de onde partiram os tiros. O que a gente quer nesse momento é uma ajuda pra poder identificar o que realmente aconteceu naquela hora, naquele lugar. Pelo que as pessoas contam, tinha mais crianças no colégio. Poderiam ter sido outras crianças. Tinha uma coleguinha do lado dela que ficou em estado de choque, porque viu o corpo dela no chão. A minha irmã era uma menina alegre, estudiosa, brincalhona”, disse Daniela.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, quando a ambulância chegou ao local a menina já estava morta. No mesmo dia, houve um protesto na Avenida Brasil. A via chegou a ser fechada, e criminosos aproveitaram para abordar motoristas.

Fonte: Com informações do G1