Papagaio testemunha crime e mulher é presa por assassinato

O papagaio repetia várias vezes “Não atire, p*!”

Uma frase repetida por um papagaio ajudou a desvendar um crime nos Estados Unidos. Glenna Duram, 49 anos, foi condenada por um homicídio que pode ter sido testemunhado pela ave Bud o Papagaio da família.

Isso porque, após o crime, ele começou a dizer constantemente: “Não atire, p*!”, imitando a voz da vítima, Martin Duran, 46 anos. O homem foi alvejado com cinco tiros em maio de 2015, na casa em que morava com a esposa no estado americano de Michigan.

Papagaio testemunha crime e mulher é presa por assassinato
Papagaio testemunha crime e mulher é presa por assassinato


“Eu, pessoalmente, acho que ele estava lá, se lembra do que houve e fica dizendo isso”, disse Charles, pai de Martin. A mãe, Lilian Duram, também está certa que o pássaro estava lá quando os tiros aconteceram.

“Aquele pássaro percebe absolutamente tudo e tem a boca mais suja da área”. Glenna foi considerada culpada de homicídio em primeiro grau e receberá a sentença no mês que vem. Um promotor do estado americano ainda pensou em levar as repetições do papagaio como evidências no julgamento, mas descartou a ideia.

Fonte: Com informações do Metrópoles
logomarca do portal meionorte..com