Pela 2ª vez, Justiça nega liberdade a réus acusados de tatuar menor

O advogado disse que a promotoria não considerou tortura.

Pela segunda vez, a Justiça de São Paulo negou nesta semana o pedido de liberdade provisória aos dois réus acusados de tatuar um adolescente à força e filmar o crime no dia 9 de junho no ABC. Desse modo, eles continuarão presos. A informação é de um dos advogados dos agressores, Marcos Antonio dos Santos.

“As razões do recurso são fato da decisão de liberdade provisória. Anteciparam o mérito do processo em primeira instância, desconsiderando os bons antecedentes e a primariedade”, disse Santos, que defende o tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis, 27, que escreveu ‘eu sou ladrão e vacilão’ na testa do menor de 17 anos em São Bernardo do Campo. Apesar de não fazer parte da defesa do outro agressor, Ronildo, ele informou que o pedido feito para ele também foi negado.

O advogado disse que a promotoria não considerou tortura no caso, e isso permitiria benefícios legais a Maycon, como responder ao processo em liberdade. "Lembrando sempre que a acusação é de lesões corporais, ameaça e constrangimento ilegal, que não impedem a concessão do benefício."

A decisão do Tribunal de Justiça (TJ) de negar a soltura também vale para o pedreiro Ronildo Moreira de Araújo, 29, que filmou a sessão de tatuagem. A primeira vez que a Justiça negou liberdade aos acusados foi em junho, com a decisão da primeira instância.

Os dois confessaram o crime, alegando que seria uma punição ao garoto porque ele teria tentado furtar a bicicleta adaptada de um deficiente físico. O dono da bike reprovou o que o tatuador e o pedreiro fizeram contra o menor.

As imagens divulgadas e compartilhadas pelo aplicativo de celular WhatsApp repercutiram e tornaram o caso conhecido. Foi por meio delas que a Polícia Civil prendeu os dois. Atualmente estão detidos preventivamente no presídio de Tremembé, no interior do estado.


Fonte: Com informações do G1