PM é preso após matar mulher que estava com a filha de 3 anos

O PM alegou que a arma estava com defeito

Um policial militar foi preso em flagrante na manhã deste domingo (12) após balear e matar uma mulher em um posto de combustível na Vila Matilde, na Zona Leste de São Paulo. Testemunhas relataram que o disparo aconteceu após uma confusão no posto. Segundo a Polícia Civil, o PM alegou que a arma disparou por causa de um defeito.

Image title

Maria Claudia Pedace, de 33 anos, foi baleada e não resistiu aos ferimentos. A filha dela, de 3 anos, estava sentada no banco traseiro do veículo.

Segundo testemunhas, a confusão teve início por volta das 4h30. O namorado da vítima, Helimael Luis Vilela de Oliveira, de 30 anos, que dirigia o carro, deu ré e atingiu uma jovem, que teve ferimentos leves.

Ela estava no posto com amigos, entre os quais estaria o policial de nome Guilherme - o nome completo não foi divulgado pela polícia paulista. Ele não estava em horário de trabalho.

Helimael não quis gravar entrevista, mas contou que o PM saiu atrás do carro. Já o soldado contou que se desequilibrou e atirou sem querer. Ele está há seis meses na corporação.

A arma usada por ele, uma pistola .40, foi apreendida e será levada para perícia para que seja investigada uma possível falha mecânica.

Helimael não parou o carro e seguiu por mais quatro quilômetros, até o viaduto Itigunçu, onde bateu os pneus do carro em blocos de concreto que dividem a pista. A perícia foi acionada e encontrou uma garrafa de uísque dentro do carro.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública, o policial militar foi preso em flagrante por homicídio. A Corregedoria da PM vai instaurar um processo administrativo que pode resultar na expulsão do policial. Ele será encaminhado ao Presídio Romão Gomes, na Zona Norte de São Paulo.

O namorado da vítima, que dirigia o carro, se recusou a fazer o teste do bafômetro e passou por exame toxicológico.


Fonte: Com informações do G1