Vizinha mata menino de 6 anos a tijoladas por vingança

Ela afirmou em depoimento que agiu com ódio.

O corpo do menino Izaque Furlan, 6 anos, que estava desaparecido desde a manhã desta sexta-feira (25), foi encontrado no começo da tarde, no bairro Jardim Bonfim, em Almirante Tamandaré.

O corpo estava dentro de uma mala, em um forno, na casa da suspeita, Ana María de Jesús Gouveia, de 19 anos. Segundo o delegado, Tito Livio Barrichello, a jovem era vizinha da família e cuidava da criança todos os dias para a mãe trabalhar. Ela foi presa e confessou o crime.

Inicialmente, ela teria dito que o garoto teria ido, a pedido dela, comprar pão e que não voltou para casa. Como as informações dada por Ana não faziam muito sentido, os investigadores da polícia civil desconfiaram e logo descobriram que ela teria praticado o crime. De acordo com Barrichello, ela confessou e disse que seria por vingança da mãe da vítima.

“Após iniciar a investigação verificamos que a Ana, que cuidava do pequeno, havia cometido crime de estelionato. Ela se apropriou do cartão do bolsa família e outros benefícios de assistência pra deficientes que a mãe da vítima tinha. Desconfiamos e com base nisso e outras apurações nossas, passamos a trabalhar no caso com rapidez, o que resultou o descobrimento na autoria do crime. Ela não parecia arrependida no momento da confissão e ainda detalhou a morte do garoto de apenas seis anos.”

Segundo o delegado, Ana disse ter matado a criança com tijoladas e em seguida enforcou Izaque com um fio elétrico de uma enceradeira. Mediante estrangulamento, a criança morreu. Ela ainda pretendia se livrar do corpo futuramente, mas inicialmente guardou o corpo dentro de uma mala de viagem e colocou dentro do forno para não levantar suspeitas.

A jovem foi autuada em flagrante de delito por homicídio triplamente qualificado pelo crime de estelionato.

No local do crime, familiares relataram à Tribuna do Paraná que o relacionamento com ela era tranquilo e não havia desconfiança do envolvimento dela. A família de Izaque era formada por sete irmãos mais velhos que ele.

“Ela cuidava do Izaque desde os 6 meses e nunca suspeitamos que ela ia matar a criança. A minha sogra está no hospital porque não consegue aceitar um crime desse. Ela já perdeu dois filhos e esse é o terceiro que também morre. Eram 11 filhos”, relatou Jessica Gabriela, 22 anos.

O marido da suspeita tem passagem pela polícia por estupro contra a própria filha, e também teria envolvimento no crime, segundo a polícia. Moradores da região estavam bastante revoltados com o crime contra uma criança tão pequena.

“É muito revoltante! Eu criei sete filhos sozinha e nunca vi uma coisa dessa acontecer no lugar onde a gente mora. Como uma pessoa tem coragem de matar uma criança!? Eu vi a reportagem de manhã e saímos pra procurar ele, e depois que fiquei sabendo que ela confessou. É muito triste pra gente que vive aqui”, contou Marília de Amaral.

O desaparecimento

Izaque desapareceu pela manhã desta sexta-feira (25) e as buscas inicialmente estavam voltadas para um possível desaparecimento. Acreditava-se também em um crime de abandono de incapaz, algo que acontece na região com frequência, de acordo com as autoridades. A suspeita, que cuidava da criança, chegou a relatar que gostava muito do menor e que jamais faria mal para ele.

O trabalho dos investigadores da Polícia Civil iniciou e Ana passou a se contradizer em seu depoimento, o que resultou na confissão e descrição do crime praticado por ela.


Fonte: Tribuna do Paraná
logomarca do portal meionorte..com