Forças Armadas são convocadas após incêndio em ministérios

Participantes do ato e Polícia Militar entraram em confronto

O patrulhamento da Esplanada dos Ministérios contará com 1.500 militares - sendo 1.300 do Exército e 200 da Marinha - e já começou na noite desta quarta-feira. Numa primeira etapa da operação, receberão reforço no policiamento os prédios do Palácio do Planalto, do Itamaraty, do Ministério da Defesa e das três forças, Exército, Marinha e Aeronáutica. Prédios que foram atacados também receberão reforço de tropas, assim com nos Palácios da Alvorada e do Jaburu.

O Ministério da Defesa informou também que não vai atuar nos gramados e nas vias, cujo policiamento ficará a cargo da Polícia Militar e, eventualmente, da Força Nacional de Segurança. A ideia é garantir o direito de ir e vir dos funcionários.

Nesta quarta-feira, o Procurador-geral de Justiça Militar, Jaime de Cassio Miranda, entrou em contato por telefone com o comando das Forças Armadas para informar que o Ministério Público Militar irá fiscalizar a ação do Exército na Esplanada dos Ministérios.


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello relatou nesta quarta-feira (24), durante sessão, ter ficado preocupado com a decisão do presidente Michel Temer de autorizar a presença das Forças Armadas na região da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, após as manifestações contra o governo. "Espero que a notícia não seja verdadeira", acrescentou.

"Voto um pouco preocupado com o contexto, e espero que a notícia não seja verdadeira. O chefe do Poder Executivo teria editado decreto autorizando uso das Forças Armadas no Distrito Federal no período de 24 a 31 de maio", disse Marco Aurélio Mello nesta quarta, durante o julgamento de uma ação no STF.


O presidente da República, Michel Temer, decretou uma ação de garantia de lei e da ordem em Brasília, declarou o ministro da Defesa, Raul Jungmann.  Tropas federais já se encontram no Palácio do Planalto e no Palácio Itamaraty, disse o ministro. 

"O senhor presidente da República decretou, por solicitação do presidente da Câmara, uma ação de garantia da lei e da ordem." A declaração foi dada no Palácio do Planalto, sede da Presidência,

Segundo Jungmann, os protestos viraram "baderna". O senhor presidente da República faz questão de ressaltar que é inaceitável baderna, inaceitável o descontrole e que ele não permitirá que atos como esse venham a turbar o processo que se desenvolve de foram democrática e com respeito às instituições".  afirmou Jungmann no pronunciamento.



"Atendendo à solicitação do senhor presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, mas também levando em conta fundamentalmente uma manifestação que estava prevista como pacífica. Ela degringolou à violência, vandalismo, desrespeito, como pacífica. Ela degringolou à violência, vandalismo, desrespeito, agressão ao patrimônio público e na ameaça às pessoas, muitas delas servidores que se encontram aterrorizados", disse Jungmann.


SOBRE A MANIFESTAÇÃO

Houve depredações e confronto entre a polícia e manifestantes em um protesto em Brasília. Grupos colocaram fogo em parte dos ministério da Agricultura, do Planejamento e da Cultura. Servidores de todo os ministérios receberam ordens de evacuar os prédios por volta das 15h30. A PM atirou balas de borracha e gás lacrimogênio, enquanto manifestantes atiravam pedras e tentavam avançar em direção ao Congresso.

Para evitar que manifestantes se aproximem do Congresso Nacional, a Polícia Militar do DF faz uso de bombas de gás lacrimogêneo.

A Marcha das Centrais Sindicais, como está sendo chamado o ato, protesta contra as reformas propostas pelo governo federal. e pede a renúncia do presidente Michel Temer.


Durante o protesto, participantes do ato e Polícia Militar entraram em confronto. Foram disparadas bombas de gás e de efeito moral. A cavalaria da PM chegou a investir contra os manifestantes, que responderam jogando pedras e paus. Às 15h30, o confronto já durava duas horas ininterruptas.

Chamado pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, que lideraram atos contra o impeachment de Dilma Rousseff, e pelas centrais sindicais, a manifestação saiu do estádio Mané Garrincha e segue em direção ao Congresso Nacional.



Os organizadores falam em mais de 100 mil pessoas. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal afirmou que até as 11h30 havia 25 mil manifestantes. O número estimado de ônibus que vieram de outros Estados é entre 500 e 600.


"A gente não merece passar por isso. Quase não tem nada e o que tem, eles querem tirar", diz o metalúrgico paulista Fernando Oliveira, 27, que saiu do Jabaquara, em São Paulo, na terça-feira (23), às 11h em direção à capital federal.

Entre as muitas categorias presentes, estão os agentes penitenciários, que chegaram a invadir o Congresso durante votação da reforma da Previdência em comissão no início de maio. Eles receberam uma salva de palmas ao passar por um dos carros de som que compõem a manifestação.

Entre as entidades presentes, estão a CUT (Central Única dos Trabalhadores), a UGT (União Geral dos Trabalhadores), a CTB (Central dos Trabalhadores do Brasil), o MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), além de membros de partidos, sindicatos locais, entidades estudantis como a UNE (União Nacional dos Estudantes) e movimentos LGBT.


A Força Sindical também se uniu ao protesto contra o governo. Antes da revelação da delação da JBS, a central do deputado Paulinho da Força (SD-SP) se posicionava apenas contra as reformas trabalhista e da Previdência, mas não pedia a saída do governo.

Muitos carregam bandeiras e camisetas com o rosto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "O melhor seria se entrasse o Lula mesmo", diz a doméstica Elza de Araújo, 51, que veio de Teresina acompanhar a manifestação.

O ato também tem manifestantes do Pará, do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Distrito Federal e da Paraíba.


TENSÃO

O clima na marcha ficou tenso por volta das 13h30, quando os grupos chegaram ao bloqueio feito pela polícia, em frente ao Congresso.

Homens com máscaras anti gás e camisas laranja da Força Sindical forçaram as grades e instaram as pessoas a invadir o Parlamento.

A Polícia repeliu a tentativa com spray de pimenta. Do alto de um dos carros de som, sindicalistas pediam uma marcha pacífica e que as lideranças controlassem suas bases.

Um cordão humano de dirigentes sindicais foi formado para impedir embates entre manifestantes e a polícia.


O conflito quase saía do controle no início da tarde. A cavalaria e furgões da PM investiram contra manifestantes, que responderam jogando pedras e paus.

"Companheiros mascarados, por favor, retirem suas máscaras. Aqui tem mães, tem trabalhadores honestos. Nosso protesto é pacífico", disse a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM).

Na parte de trás da manifestação, dirigentes em carros de som pedem que o público espere, porque "o pau ainda está comendo solto lá embaixo". Eles pedem que os manifestantes não desçam em direção ao Congresso e não respondam a provocações.

Na altura do Museu Nacional, um jovem se feriu ao tentar acender um rojão e foi rapidamente socorrido pelo Corpo de Bombeiros.
















Fonte: Uol