Dilma diz que foi vítima de "golpe parlamentar de homens ricos"

Fato de ser mulher pesou "enormemente" no impeachment.

A edição desta semana da revista 'Elle' francesa traz uma entrevista de uma página com a ex-presidente Dilma Rousseff. Segundo a publicação, o encontro do jornalista Pierre Morel com Dilma se deu no Rio de Janeiro, onde ela tem passado temporadas hospedada no apartamento de sua mãe.

Ex-presidente diz que o fato de ser mulher pesou "enormemente" em seu impeachment. "Os homens da direita conservadora, que não conseguiram conquistar o poder pelas urnas, tentaram sujar minha imagem durante os oito meses desse processo de destituição", afirma ela. "Todos os estereótipos utilizados contra as mulheres foram usados contra mim. Um dia, eu era dura e insensível; no dia seguinte, histérica e frágil".

Dilma Rousseff
Dilma Rousseff

A ex-presidente declarou que a democracia no Brasil foi afetada desde sua saída. "O país retrocedeu muitos anos. O novo governo, composto por homens ricos e brancos, não é representativo da nossa nação. O Brasil é composto de 51% de mulheres e uma importante comunidade negra. Mas a mentalidade da escravidão e a ideologia dos privilégios são ainda muito fortes".

A revista pediu ainda que Dilma detalhasse as torturas que sofreu em sua prisão durante a ditadura militar. "Ser torturada significa uma violência desmedida. Eles utilizavam o que chamamos de pau de arara, um instrumento que permite pendurar as pessoas em qualquer lugar pelos braços e pelas mãos". Ela finaliza a entrevista avisando que vai continuar a lutar. "Vou continuar a me expressar, a falar. Aprendi durante a ditadura que a palavra é uma arma extremamente potente".


Fonte: Epoca
logomarca do portal meionorte..com