Eduardo Cunha faz exame de corpo de delito no IML em Curitiba

Investigado passou a noite em uma cela isolado dos outros presos

O ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi preso pela Lava Jato  em Brasília, chegou para fazer exame de corpo de delito por volta das 10h desta quinta-feira (20) no Instituto Médico-Legal (IML), em Curitiba.

Ele chegou sem algemas em um carro da Polícia Federal (PF), disse "bom dia" aos jornalistas, e foi encaminhado para o exame. O procedimento é padrão após a prisão e durou cerca de de 10 minutos. Depois, Cunha foi levado novamente para a carceragem.

O ex-presidente passou a noite isolado em uma cela e sem contatos com os demais presos. O advogado dele Ticiano Figueiredo disse que até as 8h30 não tinha conversado com o seu cliente.

De acordo com a PF, Cunha levou apenas uma mala de roupas e está detido em uma cela com  beliche de cimento, uma pequena bancada com um banquinho, um vaso e uma pia. Ele também vai fazer um horário diferenciado de banho de sol em relação aos demais presos de uma hora por dia.

 Entre os outros investigados da Lava Jato que também estão na Superintendência da PF estão o doleiro Alberto Youssef, o ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e o ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antônio Palocci.

Cunha é acusado de receber propina de contrato de exploração de Petróleo no Benin, na África, e de usar contas na Suíça para lavar o dinheiro. A decisão sobre a prisão foi do juiz federal Sérgio Moro, que é responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

No despacho que determinou a prisão, o juiz disse que o poder de Cunha para obstruir a Lava Jato "não se esvaziou".

Após Cunha perder o foro privilegiado com a cassação do mandato, ocorrida em setembro, o juiz retomou na quinta-feira (13) o processo que corria no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta segunda (17), Moro havia intimado Cunha e dado 10 dias para que os advogados protocolassem defesa prévia.

Em nota divulgada por seus advogados, Cunha afimou que a decisão de Moro que resultou na prisão é "absurda" e "sem nenhuma motivação". (veja íntegra da nota no final da reportagem).

Para o Ministério Público Federal (MPF), em liberdade, Cunha representa risco à instrução do processo e à ordem pública. Além disso, os procuradores argumentaram que "há possibilidade concreta de fuga em virtude da disponibilidade de recursos ocultos no exterior" e da dupla cidadania. Cunha tem passaporte italiano e teria, segundo o MPF, patrimônio oculto de cerca de US$ 13 milhões que podem estar em contas no exterior.


Image title


Fonte: Com informações do G1
logomarca do portal meionorte..com