Ibope: 46% reprovam governo Temer e 13% aprovam

Índice de eleitores que consideram o governo regular foi de 35%

Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (16) mostrou os seguintes percentuais de avaliação do governo do presidente da República, Michel Temer (PMDB):

Ótimo/bom: 13%

Regular: 35%

Ruim/péssimo: 46%

Não sabe/não respondeu: 6%

O levantamento do Ibope, encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), foi realizado entre os dias 1º e 4 de dezembro e ouviu 2.002 pessoas, em 141 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Segundo a CNI, a soma dos percentuais não iguala 100% em decorrência do arredondamento.

O nível de confiança da pesquisa divulgada nesta sexta, segundo a CNI, é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

Essa é a segunda pesquisa Ibope encomendada pela CNI divulgada depois de Temer ser efetivado no comando da Presidência da República, em 31 de agosto.

Image title

Maneira de governar

A pesquisa divulgada também avaliou a opinião dos entrevistados sobre a maneira de governar do presidente da República:

- aprovam: 26%

- desaprovam: 64%

- não souberam ou não responderam: 10%

No levantamento divulgado em outubro, 28% aprovavam; 55% desaprovavam; e 17% não souberam ou não responderam.

Confiança

Outro ponto questionado pelo Ibope foi sobre a confiança dos entrevistados em relação ao presidente.

De acordo com a pesquisa divulgada nesta sexta, 23% dos entrevistados disseram confiar em Temer, enquanto 72% afirmaram não confiar; 5% não souberam ou não responderam.

Comparação com governo Dilma

A pesquisa Ibope também pediu aos entrevistados que comparassem as gestões de Temer e Dilma na Presidência da República.

Segundo o levantamento, 21% dos entrevistados consideram o governo do peemedebista melhor; 42%, igual; 34%, pior; e 3% não souberam ou não responderam.

Sobre as perspectivas em relação ao "restante do governo", 18% responderam "ótimo/bom"; 32%, "regular"; 43%, "ruim/péssimo"; e 7% não souberam ou não responderam.

Notícias

O Ibope questionou ainda os entrevistados sobre a percepção deles em relação ao noticiário relativo ao governo Temer.

Para 13%, as notícias nos últimos meses foram "mais favoráveis"; para 25%, "nem favoráveis, nem desfavoráveis"; para 47%, "mais desfavoráveis"; e 15% não souberam ou não responderam.

A pesquisa traz ainda as notícias mais lembradas pelos entrevistados (veja abaixo as cinco mais citadas):

- 7%: "PEC 241, que estabelece um teto para os gastos públicos nos próximos 20 anos”

- 5%: “Manifestações contra a corrupção”

- 5%: “Protestos contra a PEC 241”

- 4%: “Manifestações pelo Brasil (sem especificar)”

- 4%: “Manifestações contra o governo Temer”

Áreas

A pesquisa também ouviu os eleitores sobre a opinião deles por área de atuação do governo. Veja os resultados:

Taxa de juros

Aprovam: 14%

Desaprovam: 79%

Não sabem/não responderam: 7%

Combate ao desemprego

Aprovam: 20%

Desaprovam: 76%

Não sabem/não responderam: 4%

Segurança pública

Aprovam: 20%

Desaprovam: 76%

Não sabem/não responderam: 4%

Combate à inflação

Aprovam: 25%

Desaprovam: 70%

Não sabem/não responderam: 6%

Combate à fome e à pobreza

Aprovam: 26%

Desaprovam: 70%

Não sabem/não responderam: 5%

Impostos

Aprovam: 14%

Desaprovam: 80%

Não sabem/não responderam: 6%

Meio ambiente

Aprovam: 28%

Desaprovam: 61%

Não sabem/não responderam: 11%

Saúde

Aprovam: 17%

Desaprovam: 80%

Não sabem/não responderam: 3%

Educação

Aprovam: 26%

Desaprovam: 71%

Não sabem/não responderam: 3%

No último levantamento do Ibope encomendado pela CNI, de 4 de outubro, Temer aparecia com a aprovação de 14% dos entrevistados, enquanto 39% o desaprovavam e 34% consideravam a gestão dele regular – outros 12%, à época, não souberam responder.

Em pesquisa do Ibope divulgada em 1º de julho, quando Temer ainda era presidente em exercício, o peemedebista aparecia com a aprovação de 13% dos entrevistados, enquanto 39% o desaprovavam e 36% consideravam a gestão dele regular. À época, outros 13% não souberam responder.

Fonte: Com informações do G1