José Eduardo Cardozo rebate e vê contradição de casal delator

Ex-ministro rebateu a nota do marqueteiro João Santana

O ex-ministro José Eduardo Cardozo rebateu a nota do marqueteiro João Santana que contesta a sua entrevista ao GLOBO e disse ser “esperado que alguém defenda, inclusive com deliberada veemência e indignação, os termos de uma delação que firmou com a finalidade de obtenção de condições mais vantajosas para o cumprimento de uma sanção penal”.

O petista afirma que na nota o marqueteiro “não só não esclarece a clara contradição entre o seu depoimento e o de Monica Moura, mas como a reitera”. “De fato, basta verificar os depoimentos dos delatores e a nota em questão, para que se constate a evidente contradição, sobre os momentos e as maneiras pelas quais teriam sido hipoteticamente avisados da sua prisão pela presidente Dilma Rousseff”, diz Cardozo.

Na nota, João Santana classifica a entrevista de Cardozo como “grotesca e absurda”.

Santana reafirma que soube, pela ex-presidente Dilma Rouseff, que “a prisão seria iminente” e sustenta a veracidade do e-mail em que teria sido alertado disso, apresentado pelo casal em sua defesa.

“Apenas para ficar em dois indícios não devidamente noticiados: se não estivéssemos sendo informados da iminência da prisão, porque chamaríamos, na sexta, 19 de fevereiro, o nosso então advogado, Fabio Tofic, para que viesse às pressas a S. Domingos?”, diz João. “ Por que cancelaríamos nosso retorno ao Brasil, dias antes, com passagem comprada e com reserva já confirmada?”, comenta João.

Na nota divulgada hoje, o ex-ministro voltou a negar que soubesse da prisão do marqueteiro de sua mulher antes da operação ser deflargada. “Apesar da possibilidade da prisão, naquele período, ser abertamente especulada pela imprensa, fui comunicado da existência de mandado de prisão a ser executado, como rotineiro, no momento da sua concretização”, afirma Cardozo.

José Eduardo Cardozo
José Eduardo Cardozo




Leia abaixo a nota de José Eduardo Cardozo na íntegra:


A respeito da nota divulgada pelo publicitário João Santana, acerca de entrevistas que concedi sobre as claras contradições existentes entre os seus depoimentos e os de sua esposa Monica Moura, em delação premiada, afirmo e esclareço que:

1. É esperado que alguém defenda, inclusive com deliberada veemência e indignação, os termos de uma delação que firmou com a finalidade de obtenção de condições mais vantajosas para o cumprimento de uma sanção penal. Afinal, a não comprovação dos depoimentos prestados pelos delatores levará à perda das vantagens pretendidas.

2. Todavia, o que chama atenção é que, com esta manifestação, o publicitário não só não esclarece a clara contradição entre o seu depoimento e o de Monica Moura, mas como a reitera. De fato, basta verificar os depoimentos dos delatores e a nota em questão, para que se constate a evidente contradição, sobre os momentos e as maneiras pelas quais teriam sido hipoteticamente avisados da sua prisão pela presidenta Dilma Rousseff.

3. Reitero, por fim, que no caso da prisão de João Santana, nem a Polícia Federal, nem o Ministério Público, nem o Poder Judiciário quebraram o sigilo da operação, avisando a mim, então ministro da Justiça, das prisões antes do momento apropriado. Apesar da possibilidade da prisão, naquele período, ser abertamente especulada pela imprensa, fui comunicado da existência de mandado de prisão a ser executado, como rotineiro, no momento da sua concretização. Foi nesse instante que, ao ser cientificado, cumpri meu dever funcional informando à senhora presidenta da República da prisão de João Santana e da Monica Moura.

José Eduardo Cardozo, ex-Ministro da Justiça e ex-Advogado Geral da União





Fonte: O Globo
logomarca do portal meionorte..com