Líder do DEM, Caiado sugere a Temer que renuncie ao mandato

Ronaldo Caiado (GO) cogitou a realização de eleições gerais.

O líder do Democratas no Senado, Ronaldo Caiado (GO), que é da base do governo, insinuou que o presidente Michel Temer deve renunciar e cogitou a realização de eleições gerais, com disputa também para os cargos do Congresso, nesta terça-feira, 13.

No entendimento do senador, após a delação da Odebrecht, que envolveu na Lava Jato parlamentares de diferentes partidos, além de membros do governo e também o próprio presidente, é preciso que o Executivo e o Legislativo verifiquem se ainda têm condição de governar e legislar, do contrário, seria necessário um "gesto maior". 

Ronaldo Caiado (GO), líder do Democratas no Senado (Crédito: Estadão)
Ronaldo Caiado (GO), líder do Democratas no Senado (Crédito: Estadão)

"Podemos chegar a um último fato para preservar a democracia, um gesto maior, para mostrar que ninguém governa sem apoio popular. Nesta hora, não podemos ter medo de uma antecipação do processo eleitoral, de maneira alguma", afirmou. Neste momento, o senador negou que estivesse falando diretamente sobre uma possível renúncia de Temer mas, em seguida, se referiu diretamente ao presidente.

"Não vou fulanizar. Mas acho que Temer saberá balizar esse momento. Ele deve ter a sensibilidade que não teve a presidente Dilma. Não é provocar as ruas e insistir em uma tese que não vai sobreviver. Ele precisa ter noção do que está sendo feito pelo governo e o que é aceito pela população", disse. 

Novamente, o senador disse que não pedia ali uma renúncia de ordem pessoal de Michel Temer. Ele negou que estivesse "passando um recado" ao presidente, mas afirmou que fazia uma reflexão pessoal como parlamentar sobre o que era ideal para o País neste momento. 

'Pessoal'. O presidente do Democratas, José Agripino (RN), afirmou por meio de sua assessoria que qualquer insinuação de pedido de renúncia de Temer é um posicionamento pessoal de Caiado e não representa o posicionamento da bancada ou do partido.

Oposição. Parlamentares da oposição pediram oficialmente a renúncia do presidente. "Pedimos a renúncia de Temer por falta de condições de governar. Não tratamos aqui de antecipação das eleições gerais, com as quais até concordamos. Mas, no momento, queremos focar nas eleições para o cargo de presidente", afirmou o líder do PT, Humberto Costa (PE). 

A estratégia da oposição é de realizar eleições diretas para presidente. Caso Michel Temer seja afastado do cargo, ou renuncie, ainda em 2016, de acordo com a Constituição, a população teria de ir novamente às urnas. Entretanto, se ele for afastado a partir de 2017, a eleição se dará de forma indireta e o novo presidente será escolhido pelos deputados e senadores do Congresso Nacional.

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN) defendeu que o Congresso, em que metade dos parlamentares também estão envolvidos na Lava Jato, não teria legitimidade para realizar a eleição indireta do presidente da República. "Não podemos permitir que o Congresso eleja novo presidente", afirmou. 

Fora isso, a oposição também entrou na Justiça para pedir, em caráter liminar, a suspensão da tramitação da PEC do Teto, que será votada nesta terça-feira, 13, no plenário do Senado. Neste momento, os senadores já discutem o projeto. Caso seja aprovada nesta terça, a PEC do Teto deve ser promulgada pelo Congresso Nacional na quinta-feira, 15. 

Fonte: Com informações do Estadão
logomarca do portal meionorte..com