Oscar de Barros: escolha com base na pesquisa estimulada pode levar a erro.

Ele argumenta que as consultas indicam que entre 60% e 73% da população ainda não escolheram candidatos, um número muito alto de indecisos.

O presidente da Fundação Cepro, Oscar de Barros, declarou hoje pela manhã que seria erro e precipitação decidir por um candidato ao governo do Estado com base nas atuais pesquisas de intenção de voto. Ele argumenta que as consultas indicam que entre 60% e 73% da população ainda não escolheram candidatos, um número muito alto de indecisos, o que inviabiliza as pesquisas estimuladas.

?Definir alguém levando em consideração este item é levar a base governista para um possível equívoco, devido ao grande número de indecisos?, comentou Oscar. Ele acrescenta que as pesquisas qualitativas indicam que mais de 80% da população quer a continuidade do projeto encabeçado pelo PT, que mais de 80% aprovam o governador Wellington Dias e quase 90% apóiam o governo Lula. Diz ainda que a maioria da população do Estado (entre 80% e 90%) também votariam no candidato mais afinado com ambos.

?Quando passar a copa, que é quando a maior parte da população vai começar a definir seus candidatos, há uma forte tendência que buscarão alguém com perfil que mais se encaixe com a perspectiva de dar andamento ao projeto atual, afinado a Lula e Wellington. Colocar alguém fora deste perfil é empurrar para população um candidato goela abaixo. Alguém que a população não quer?, completa.

Por este motivo, Oscar de Barros defende que a candidatura de Antônio José Medeiros será a mais competitiva quando se aproximar o período eleitoral. ?Ele está bem posicionado nas pesquisas, possui um desconhecimento muito grande. Na medida em que for se tornando conhecido com a campanha e as pessoas perceberem que ele é quem mais garante a continuidade deste projeto de desenvolvimento, sua tendência é de ascensão progressiva. O PT passou oito anos fazendo um governo que foi bem aprovado. O partido merece ser levado para o plebiscito popular. Se a população não quiser, não aprova. Mas ele tem que ser uma opção?.

Fonte: Ascom/AJM
logomarca do portal meionorte..com