Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Pronunciamento: Mandetta diz que conversa com Bolsonaro foi amistosa

Mandetta não abriu espaço para as perguntas dos jornalistas e ainda brincou com os presentes que não divulgaria hoje "análises da cloroquina".

Compartilhe

Luiz Henrique Mandetta, após anunciar sua demissão do cargo de ministro da Saúde, afirmou hoje que a conversa com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi amistosa. Os dois se reuniram nesta tarde no Palácio do Planalto, onde foi acertada a saída de Mandetta. Pouco depois, o médico anunciou a demissão pelo Twitter e concedeu entrevista coletiva para detalhar a situação. As informações são do UOL.

"Agradeço muito ao presidente. Foi uma conversa amistosa, agradável, embora o que eu posso entregar agora sobre a condução do ministério... É melhor que ele organize a equipe que possa construir outro olhar e que isso possa ser feito com base na ciência. Sei do peso da responsabilidade dele, do peso de cuidar da economia. O presidente é extremamente humanista e pensa também nesse momento todo pós-corona", afirmou Mandetta.

O médico e o presidente protagonizaram diversos embates sobre como lidar com a pandemia de coronavírus no país. Defensor do isolamento social, Mandetta elogiou novamente prefeitos e governadores pela adoção das medidas no combate à covid-19 e pediu que a população confie em instâncias superiores no presente momento.

LEIA MAIS: Saiba quem é Nelson Teich, o escolhido de Bolsonaro para o MS

"Não pensem que estamos livres do pico dessa doença. O sistema de saúde ainda não está preparado para uma marcha acelerada. Sigam as orientações das pessoas mais próximas que estão em contato mais próximo com os problemas: prefeitos, governadores e Ministério da Saúde", declarou.

José Dias/Presidência da República 

Mandetta não abriu espaço para as perguntas dos jornalistas e ainda brincou com os presentes que não divulgaria hoje "análises da cloroquina". Ele também reiterou a defesa ao SUS (Sistema Único de Saúde) e repetiu que a pasta deve se guiar pela ciência. "A vida de uma pessoa na cracolândia tem o mesmo significado quando compete em CTI com o homem mais rico desse país", acrescentou ele.

O agora ex-ministro também agradeceu aos servidores que atuaram com ele na pasta e pediu que auxiliem a nova equipe no processo de transição. Ele mencionou diversos secretários e assessores que deixarão os respectivos cargos e elogiou os secretários Wanderson de Oliveira (secretário de Vigilância em Saúde) e João Gabbardo (secretário-executivo do Ministério da Saúde), que estiveram ao seu lado durante as entrevistas coletivas.



"Estamos começando o século 21 e com ele, muitas verdades que eram absolutas virarão pó. O modo de viver será diferente", disse ele, após declarar que a batalha contra o vírus está "só no começo". Mandetta será sucedido pelo oncologista Nelson Teich, que se pronunciou já nesta tarde após anúncio oficial feito pelo presidente.





Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar