Q​uedas representam 27% dos atendimentos de urgência em crianças

Fraturas de membros e clavículas são bastante comuns no dia a dia

As quedas são o principal motivo de entrada entre os atendimentos de urgência e emergência em crianças no Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Em 2016 foram realizados 9.196 atendimentos de crianças entre 0 e 14 anos.

O motivo "queda" se destacou em primeiro lugar com 2.535 casos, representando 28% do total de atendimento de crianças. Em seguida veio o mal súbito com 863 casos, 9,4% do total e em terceiro dor abdominal com 846 atendimentos, 9,2%.

Hospital de Urgências de Teresina (Crédito: Reprodução)
Hospital de Urgências de Teresina (Crédito: Reprodução)

O pediatra e gerente da pediatria do HUT, Dr. Antonio Lopes Filho, explicou que fraturas de membros e clavículas são bastante comuns no dia a dia do pronto socorro do Hospital e que entre os atendimentos mais graves os traumatismos cranianos e os traumas fechados são os que preocupam mais.

“Os tipos de quedas são diferentes dependendo do local que a criança mora. Atendemos muitas crianças do interior que caem de arvores e as que moram em Teresina geralmente são quedas de janelas, brinquedos da escola ou de rede e camas”, destaca.

O médico explicou ainda que as quedas de redes e camas, geralmente, são com crianças de até dois anos e que por conta da pouca idade o trauma pode ser fatal.

“Como uma criança de até dois anos ainda está com o crânio em formação o osso ainda tem pouca resistência. Portanto, um forte impacto pode deixar grandes sequelas ou até mesmo causar a morte da criança”, alertou o médico. Em 2016 o HUT atendeu 202 crianças vítimas de queda de rede ou cama.

Thallyson Victor, 10 anos, e Pedro Kauã, 9 anos, deram entrada no HUT quase no mesmo dia e pelo mesmo motivo: queda. Thallyson, que entrou no sábado (21), disse que estava na casa da avó brincando com os primos quando escorregou em um carrinho de brinquedo. “Quando cai meus três primos caíram por cima do meu braço e quebrou”. Já o Pedro estava brincando na casa da tia quando pulou no galho de um pé de manga e escorregou. “Cai em cima de uma caixa de verduras. O osso ficou fora do lugar e me trouxeram pro HUT”, explicou. Os dois passaram por cirurgia e já estavam de alta na terça-feira, dia 24 de janeiro.

Pedro Kauã e Thallyson (Crédito: Reprodução)
Pedro Kauã e Thallyson (Crédito: Reprodução)

O gerente do Núcleo Hospitalar de Epidemiologia (NHE), enfermeiro Rui Cipriano, disse que muitas crianças que entram no HUT vítimas de traumas passam por uma avaliação e dependendo da circunstancia o caso é notificado.

“Nossas equipes analisam os casos que dão entrada com crianças, diariamente, no Hospital. Se for constatado a falta de cuidado por parte dos pais ou responsáveis a notificação é feita e encaminhada para o Conselho Tutelar investigar se houve violência doméstica, abandono ou negligência”, comenta Rui.  

Outro dado bastante preocupante é a quantidade de crianças envolvidas em acidentes de trânsito. Somente no ano passado foram 809 casos registrados no HUT. Destes 382 foram vítimas de acidentes com motocicletas.

“As crianças que são envolvidas em acidentes de trânsito chamam mais atenção, pois geralmente ficam mais graves e consequentemente saem com mais sequelas. Os pais ou responsáveis precisam ficar mais atentos e obedecer, rigorosamente, as leis de trânsito”, alerta Lopes.

Fonte: Portal Meio Norte