Duas pessoas estavam no helicóptero que caiu em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na manhã desta segunda-feira (11). Roberto Carlos Belmiro e Alexandre Mitkiewicz foram resgatados com vida e foram encaminhados para o Hospital João XXIII, na capital.

A Efai, escola de aviação proprietária do helicóptero, disse que a dupla fazia um voo de treinamento.

"A aeronave, um Cabri G2 (PR-EFC), de propriedade da Escola decolou do heliponto EFAI (SNHN) por volta das 08h35 para um voo de treinamento, tendo a bordo o Cmt. Alexandre Mitkiewicz, aluno do Curso de PPH (Piloto Privado de Helicóptero); e o Cmt. Roberto Carlos Belmiro, Instrutor da EFAI", diz a nota divulgada pela escola.

Confira quem são as vítimas:

Roberto Carlos Belmiro

Roberto Carlos Belmiro, de 59 anos, era o piloto do helicóptero, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Contagem.

Segundo o site da Efai – Escola de Aviação Civil, proprietária da aeronave, Belmiro é piloto comercial de helicóptero desde março de 2003 e tem mais de 2.000 horas de voo.

Ele também é instrutor de voo, instrutor do curso de segurança de voo e examinador de pilotos credenciado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) – profissional autorizado a realizar verificações de proficiência técnica de tripulantes.

Atualmente, ocupa o cargo de gestor de segurança operacional da Efai.

Roberto Carlos BelmiroRoberto Carlos Belmiro

Alexandre Mitkiewicz

Alexandre Mitkiewicz, cuja idade não foi informada, também estava no helicóptero.

Segundo informações do perfil de Mitkiewicz no Linkedin, ele já foi capitão (principal piloto de uma aeronave) nas empresas Airlines e Qatar Airways.

Ele era aluno do curso de PPH (Piloto Privado de Helicóptero), e fazia um voo de treinamento com o piloto Roberto Carlos Belmiro.

Alexandre MitkiewiczAlexandre Mitkiewicz

Colidou com caminhão

O motorista Ronaldo Gerônimo havia acabado de estacionar seu caminhão quando a aeronave caiu e colidiu  contra o seu veículo. Por sorte, ele já estava do lado de fora no momento em que o caminhão foi atingido. 

O baú refrigerado, que estava carregado com chocolates, ficou danificado.

"Eu estava na fila pra descarregar. Eu estava do lado do veículo, segundos antes de ele cair. Na hora, eu vi ele [helicóptero] descendo do lado do veículo, rodopiando, eu escutei o barulho quando ele caiu no chão. Pouca coisa antes de eu sair do caminhão", disse.

O que diz a escola de aviação

Os representantes da Efai, dona do helicóptero, foram procurados e falaram que se posicionariam por meio de uma nota.

Em seu comunicado, divulgado às 12h30, a escola diz que se tratava de um voo de treinamento e que o problema que causou a queda da aeronave ainda não foi identificado.

A Efai também diz que o helicóptero sofreu danos graves, mas seus ocupantes tiveram apenas ferimentos leves.

Helicóptero caiu em Contagem (MG) Foto: Carlos Eduardo Alvim/TV GloboHelicóptero caiu em Contagem (MG) Foto: Carlos Eduardo Alvim/TV Globo

Leia a nota na íntegra:

"A EFAI – Escola de Aviação Civil Ltda. vem, com pesar, passar as informações disponíveis no momento a respeito do acidente ocorrido na manhã de hoje (11/04/2022) com uma de suas aeronaves.

A aeronave, um Cabri G2 (PR-EFC), de propriedade da Escola decolou do heliponto EFAI (SNHN) por volta das 08h35 para um voo de treinamento, tendo a bordo o Cmt. Alexandre Mitkiewicz, aluno do Curso de PPH (Piloto Privado de Helicóptero); e o Cmt. Roberto Carlos Belmiro, Instrutor da EFAI.

Logo após a decolagem, por problema ainda não identificado e que será fruto de investigação pelo órgão competente, a aeronave não obteve o ganho de altura esperado. o instrutor buscou, então, efetuar um pouso de precaução no pátio de uma transportadora localizada no eixo de decolagem. A aeronave entrou em giro e, antes do choque com o solo, colidiu com sua cauda em um dos caminhões estacionados no pátio.

A aeronave sofreu danos graves. A integridade física dos ocupantes, no entanto, foi preservada graças às características anti-crash do Cabri. Tanto aluno quanto instrutor sofreram apenas ferimentos leves, tendo sido retirados conscientes da aeronave e, posteriormente, sido removidos para o Hospital João XXIII para exames mais detalhados.

O Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos – SERIPA III foi informado e está preparando uma equipe para se deslocar do Rio de Janeiro (sua sede) para Contagem com o objetivo de realizar a ação inicial no local do acidente, atividade que deverá ocorrer amanhã. A EFAI providenciou a guarda do local como forma se preservar indícios que certamente irão auxiliar na investigação. Após essa ação inicial, segue-se a investigação conduzida por uma Comissão formada por oficiais, graduados e técnicos do SERIPA III visando levantar os fatores contribuintes para o acidente, com vistas à prevenção de outros semelhantes.

A aeronave está com seu certificado de aeronavegabilidade válido e estava sendo operada dentro dos limites de peso e balanceamento para as condições ambientes reinantes no momento do acidente. Os pilotos estão com as respectivas habilitações e certificado médico aeronáutico também válidos.

Merece destaque a pronta resposta dos órgão acionados pelo PRE (Plano de Resposta à Emergências) da EFAI. Ao ser informada a ocorrência ao APP-BH (Centro de Controle de Aproximação de Belo Horizonte – Órgão do Departamento de Controle de Tráfego Aéreo), este desencadeou as ações de atendimento à emergência, prontamente atendidas pelo Corpo de Bombeiros, também acionado pela Coordenação do Centro de Gerenciamento de Crise da EFAI. Em poucos minutos chegaram ao local uma ambulância do Corpo de Bombeiros e uma aeronave do BOA – Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de MG. Também estiveram presentes no local duas ambulâncias do SAMU, que foi acionado pelo pessoal da transportadora logo após a queda da aeronave. Em conjunto, as Unidades presentes prestaram o atendimento pré-hospitalar aos tripulantes, provendo também todo o apoio necessário à sua posterior remoção.

A EFAI encerra essa nota reforçando sua crença de que o nível de Segurança de Voo das aeronaves em geral, e dos helicópteros em particular é, significativamente, dependente da formação inicial do piloto. E, dessa forma, reforça também a importância que a Segurança de Voo sempre teve, e continuará tendo, em suas operações."