Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Refugiados: 80 milhões deixaram suas casas em 2020

A maioria (67%) dos refugiados são de apenas cinco países: Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar.

Refugiados: 80 milhões deixaram suas casas em 2020
No começo do ano, segundo a Acnur, esse número chegava a 79,5 milhões | Agência Lusa
Compartilhe

A Acnur, a Agência da ONU para Refugiados, estima que no meio de 2020 o número de pessoas obrigadas a deixar suas casas por perseguição, conflito e violações de direitos humanos tenha ultrapassado a marca de 80 milhões, de acordo com um relatório divulgado nesta quarta-feira (9) em Genebra, na Suíça.

No começo do ano, segundo a Acnur, esse número chegava a 79,5 milhões.

Conforme os dados mais recentes, a maioria das pessoas forçadas a deixar suas casas (57,5%) permaneceu em seus próprios países — é o que a Acnur chama de "deslocamento interno", também motivado por perseguição, conflito e violações de direitos humanos. Informações do site G1

No começo do ano, segundo a Acnur, esse número chegava a 79,5 milhões

Além disso, 30% desse número — ou 26,3 milhões — são formalmente consideradas refugiadas: estão em situação de refúgio em outros países. E pouco mais de 4%, ou seja, 3,6 milhões deixaram suas casas, mas ainda procuram refúgio.

4,5 milhões de venezuelanos

A agência aponta que 4,5 milhões de venezuelanos estiveram fora de seus locais de origem em 2020. A maioria deles (3,6 milhões) foi para outro país, mas eles ainda não obtiveram a condição de refugiado.

No Brasil, para agilizar o reconhecimento da condição de refúgio de venezuelanos, o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) declara desde junho de 2019 a Venezuela em situação de grave e generalizada violação dos direitos humanos.

Considerando apenas refugiados e a situação peculiar dos venezuelanos, a Acnur informa que dois terços (67%) dessa população vêm de apenas cinco países: Síria, Venezuela, Afeganistão, Sudão do Sul e Mianmar.

Pandemia de Covid-19, guerras e pobreza

A Acnur cita uma análise do Banco Mundial que aponta três fatores que podem agravar crises econômicas ao redor do mundo e forçar mais deslocamentos: a pandemia de Covid-19, conflitos armados e mudança climática.

Em seu comunicado, a Acnur cita alguns dos conflitos que fizeram com que houvesse mais deslocados: a violência na Síria, na República Democrática do Congo, em Moçambique, na Somália e no Iêmen.

Novos deslocamentos significativos também foram registrados na região do Sahel Central da África, à medida que civis são submetidos a violência brutal, incluindo estupro e execuções.

“Com o deslocamento forçado dobrando na última década, a comunidade internacional está falhando em garantir a paz”, disse Filippo Grandi, Alto Comissariado da ONU para Refugiados.

“Estamos ultrapassando outro marco sombrio que continuará a crescer, a menos que os líderes mundiais façam as guerras parar.”



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar