Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

RJ: Polícia afirma que não havia tiroteio na hora que Ágatha foi morta

PM chegou a alegar que equipe foi recebida a tiros. Investigação constatou que não havia pessoas armadas além dos policiais.

Compartilhe
Google Whatsapp

A Polícia Civil afirmou nesta terça-feira (19) que não havia tiroteio no momento em que a menina Ágatha Félix foi baleada no Complexo do Alemão, no último dia 20 de setembro. A conclusão do inquérito confirmou que a bala que atingiu a menina saiu do fuzil de um policial militar.

O relatório da perícia contesta o depoimento dos PMs envolvidos na ação -- os militares sustentam que revidaram contra uma dupla que passava atirando em uma motocicleta. Para a Polícia Civil, no momento do crime, não havia pessoas armadas além dos policiais.

Ágatha estava no banco de trás de uma Kombi com a mãe quando foi atingida nas costas. Na hora, o veículo estava parado, com o porta-malas aberto. O projétil entrou pela traseira do utilitário, rasgou o forro do assento e feriu a menina.

Trajetória da bala foi refeita

A Delegacia de Homicídios concluiu que nem armados os possíveis suspeitos estavam.

“O que nós apuramos é que a motocicleta passou naquele momento em uma certa velocidade e não atirou contra o policial nem contra ninguém", afirmou o delegado Marcus Drucker, responsável pelas investigações da Delegacia de Homicídios da Capital.

"O policial atirou contra a motocicleta, a bala bateu no poste, fragmentou, bateu na tampa do motor da Kombi, pesou pelo banco traseiro e atingiu a menina Ágatha fatalmente. A apuração não constatou tiroteio”, detalhou Drucker.

“O que nós apuramos foi que na hora em que a moto passou, o policial que estava ali alega que ele [homem da moto] estava armado. Mas nós provamos que não estava. O policial atirou na motocicleta, pegou no poste e a bala desviou e desceu. Nós provamos que não estavam armados”, disse o delegado Marcus Drucker.

O delegado titular da DH Capital, Daniel Rosa, informou que o PM irá responder por homicídio doloso. No entanto, a prisão não foi requerida pelos investigadores.

“Uma investigação muito criteriosa que terminou com o indiciamento desse policial militar que foi responsável pelo tiro. A prisão tem requisitos próprios na Constituição, mas neste caso não apresentou os requisitos. Ele vai responder por homicídio doloso”.

O nome do policial militar que efetuou os disparos não foi divulgado pela polícia. Em nota, a PM informou que o cabo será afastado das atividades nas ruas.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se