Sérgio Moro nega pedido de Cunha para ficar preso em Brasília

Peemedebista deve voltar a Curitiba após depor na 10ª Vara do DF

O juiz federal Sérgio Moro negou, mais uma vez, pedido da defesa do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para ficar mais tempo preso em Brasília. O peemedebista foi transferido para a capital federal por autorização do magistrado para prestar depoimento ao juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal.

Quando foi enviado ao Distrito Federal, o peemedebista solicitou permanência definitiva em Brasília, no Complexo Penitenciário da Papuda. O pedido foi negado por Moro.

Na sexta-feira (22), o juiz da Lava Jato voltou a negar, desta vez, um pedido para que Cunha permanecesse em Brasília até as alegações finais do processo pelo qual responde à 10ª Vara Federal, perante ao magistrado Vallisney de Oliveira.

Cunha pediu para permanência definitiva na Papuda (Crédito: Estadão Conteúdo)
Cunha pediu para permanência definitiva na Papuda (Crédito: MARCELO CHELLO/ESTADÃO CONTEÚDO)

"Descabe a prorrogação da permanência até a apresentação das alegações finais e/ou até a prolação da sentença, eis que tais atos não demandam a presença do acusado perante o Juízo da 10ª Vara Federal de Brasília/DF", anotou Moro.

O interrogatório de Cunha em processo pelo qual responde em Brasília foi adiado para dia 9 de outubro, quando ele deve prestar seu depoimento e voltar para Curitiba.

O peemedebista está preso em Curitiba desde 19 de outubro de 2016, acusado de obstruir a Lava Jato enquanto permanecia livre. O ex-presidente da Câmara foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão por propinas de U$S 1,5 milhão na compra do campo petrolífero de Benin, na África, pela Petrobras, em 2011.

Em Brasília, onde está encarcerado para prestar depoimento, é réu no processo pelo suposto envolvimento em irregularidades na liberação de valores do Fundo de Investimento do FI-FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

No seu interrogatório, Cunha deverá ser questionado sobre sua suposta atuação junto ao ex-vice-presidente de Fundos e Loteria da Caixa, Fabio Cleto. Em sua delação premiada, Cleto afirmou que o ex-deputado e o corretor Lúcio Bolonha Funaro intermediavam pagamento de propina para liberação de valores do FI-FGTS para grandes grupos econômicos.

Fonte: Com informações do R7
logomarca do portal meionorte..com