Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Síndrome Hellp: Doença rara mata jovem logo após o parto em São Paulo

Grávida tinha 22 anos e desenvolveu Síndrome Hellp durante a gravidez.

Compartilhe
Google Whatsapp

Uma jovem de 22 anos morreu após um parto em um hospital de Santos, no litoral de São Paulo. Familiares de Bruna Tomadocci afirmam que a jovem não sabia que tinha desenvolvido uma síndrome rara durante a gravidez e, no nascimento do filho, teve complicações e morreu. As informações são do G1.

Conforme relata a cunhada da jovem, Isabella Athenas, de 19 anos, ela estava grávida de sete meses. "Estava com ela um dia antes e parecia estar bem, porém um pouco inchada. Por volta das 19h ela foi trabalhar e na madrugada ligou para o meu irmão dizendo que estava passando mal".

A jovem conta que, quando o irmão chegou ao local, levou Bruna às pressas ao Hospital dos Estivadores. "Os médicos viram que tinha algo de errado com ela e fizeram uma cesárea de emergência. No parto, ela teve duas convulsões, mas conseguiram retirar a criança e colocar em uma incubadora, já ela foi levada pra UTI".

Crédito: Arquivo Pessoal

A familiar relata que a jovem teve piora no quadro médico e exames constataram a Síndrome Hellp. Pouco tempo depois, os órgãos paralisaram e, posteriormente, o cérebro também, momento em que a mãe da criança morreu.

A obstetra Mariana Paiva explica que a Síndrome Hellp é um problema raro, que atinge apenas 0,5% das gestantes. Trata-se, segundo a especialista, de uma complicação gravíssima da pré-eclâmpsia, que é a pressão aumentada na gestação. “É uma condição rara, mas extremamente grave porque envolve uma mortalidade alta”, diz.

De acordo com a obstetra, a síndrome normalmente aparece depois da 27ª semana e, em raríssimas exceções, pode matar a mulher inclusive após o parto. “O diagnóstico é feito através de exames de sangue. Sinais de alerta podem ser dor no estômago, dor na região do fígado, no abdômen superior e inchaço generalizado. O pré-natal é muito importante nesse quesito, porque ajuda a minimizar complicações durante o parto e a monitorar condições hipertensivas graves”, destaca.


Crédito: Arquivo Pessoal

"Os profissionais do hospital fizeram de tudo para que ela sobrevivesse, mas infelizmente ela não resistiu. Meu sobrinho continua lá e está bem. Um dos médicos nos mostrou que constaram duas faltas em consultas de pré-natal, que poderiam ter ajudado no diagnóstico da síndrome antes do dia do parto. A ficha ainda não caiu que ela se foi", diz Isabella.

Em nota, o Complexo Hospitalar dos Estivadores em Santos informa que a paciente recebeu todo o suporte médico e assistencial necessário durante o atendimento. O bebê permanece internado e seu quadro é estável.

A instituição ainda afirma que tem total compromisso com as melhores práticas na assistência ao parto, alinhadas com as diretrizes da Organização Mundial da Saúde – OMS e do Ministério da Saúde – MS, e que deu todo o suporte humano e tecnológico disponível no hospital.

Crédito: Arquivo Pessoal


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×