Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Sucessora de Mãe Stella será mulher e escolha caberá a Xangô

Ilê Axê Opô Afonjá já teve cinco mães de santo desde 1910

Sucessora de Mãe Stella será mulher e escolha caberá a Xangô
DIVULGAÇÃO | Reprodução
Compartilhe

Qual o futuro do Ilê Axê Opô Afonjá com a morte de Mãe Stella de Oxóssi, que aconteceu na última quinta-feira (27)? Quem será a encarregada de receber a herança religiosa de uma das mais importantes ialorixás do Brasil? Sim, “encarregada” no feminino, e não “encarregado”. Isso porque o Afonjá é um terreiro matriarcal e só pode ser liderado por ialorixás.

O fato é que quem vai tomar essa decisão, ao menos na cresça do povo de santo, não é deste mundo. No caso, por ser patrono da casa, essa tarefa caberá a Xangô. E isso só vai ocorrer daqui a, no mínimo, um ano, após um jogo de búzios. Em alguns casos, o jogo não aponta prontamente um nome. Mas, também em um universo sobrenatural, é possível especular.   

\"
(Crédito: Arisson Marinho)



Muitos apontam quatro das mais antigas sacerdotisas da casa como possíveis sucessoras. Todas fazem parte do conselho religioso do terreiro. São elas: Edit Santos Andrade, a iaquequerê (mãe-pequena) Ditinha, 83 anos; Raimunda Antônia de Paula, Mãe Mundinha, iá-dagan do Afonjá, 64; Valdomira Alcântara, a ogalá Tutuca ou Mãe Tutuca, 64; e Maria Pimentel, a mãe Maria ou iá efun, 70. 

Mãe Ditinha, aliás, por ser a mãe-pequena da casa, é a atual substituta desde que Mãe Stella se afastou, quando foi morar na cidade de Nazaré, no Recôncavo baiano. Acontece que ela, e as outras, são muito discretas e sequer falam sobre o assunto. A otum-dagan do terreiro, Maria Aparecida Santos, a Cida de Nanã, explica que, no final das contas, qualquer filha de santo (iniciada) pode ser escolhida.

A tradição do terreiro, no entanto, é pela escolha de iaquererês ou iá-dagans, como aconteceu com Mãe Senhora (iá-dagan) e Mãe Ondina (iaquererê). 

“A maioria tinha esses dois cargos, mas Xangô que vai escolher. Se ele quiser, até uma iaô pode virar ialorixá”, disse Cida, que é bisneta de Mãe Senhora. Ela própria, aliás, mesmo sem fazer parte do conselho religioso, pode ser escolhida. “O homem é quem sabe”, riu Cida, referindo-se novamente a Xangô. 

Sobrinha Neta de Mãe Stella, Reina de Azevedo Santos, 19 anos, é uma das filhas de santo da nova geração do Afonjá. Se o sangue familiar for levado em conta na escolha de Xangô, ela também está no páreo. 

“Sinceramente não fazemos a menor ideia de quem pode substituir minha avó. Pode ser eu ou qualquer outra pessoa iniciada da casa. É Xangô quem vai dizer”, afirma Reina, que se iniciou aos 13 anos, mesma idade de sua tia avó, Stella.





Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar