Quando o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, adquiriu o WhatsAppem 2014, ele jurou que não iria alterar uma das coisas que torna o mensageiro um dos mais usados em todo mundo: a ausência de anúncios. Essa história mudou em 2018, quando a rede social confirmou planos de monetizar o aplicativo com a veiculação de publicidade no Status. Agora, porém, essa possibilidade estaria descartada, pelo menos por enquanto. A notícia está no site Canaltech.

De acordo com o The Wall Street Journal, a equipe que trabalhava nessa frente foi desmantelada nos últimos meses, assim como o códigos referentes a essa função no WhatsApp. Ao que tudo indica, o Facebook ainda tem vontade para ganhar um dinheiro extra com o app, mas isso deve ser feito com as contas corporativas, o WhatsApp Business, “permitindo que as empresas se comuniquem com os clientes e organizem esses contatos”, segundo o periódico.

Vale destacar que, ao dizer que começaria capitalizar com o WhatsApp, Zuckerberg afastou os criadores da plataforma. Brian Acton saiu primeiro, dizendo que isso traria problemas de segurança e privacidade e que a criptografia de ponta a ponta também estaria ameaçada. Jan Koum deixou a companhia meses depois, pela mesma razão.