Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

"Medusa espacial" ajuda a entender formação de estrelas

Essa é a galáxia da Medusa, aquela senhora pouco amigável da mitologia grega que tinha um penteado

Compartilhe

Não olhe diretamente para esta galáxia, você pode virar pedra! Segundo o mito da Medusa, se você olhar diretamente para seu rosto, vira uma estátua da pedra. Bom, como essa é uma foto, não deve ter problema?

Essa é a galáxia da Medusa, aquela senhora pouco amigável da mitologia grega que tinha um penteado mais exótico que a Amy Whinehouse, já que sua cabeleira era feita de cobras. Astrônomos têm um senso de humor um tanto peculiar e resolveram batizar essa galáxia como a galáxia da Medusa, por causa da estranha nuvem de gás na parte de cima da foto. Oficialmente a galáxia chama-se NGC 4194.

E qual o interesse por essa galáxia? Ela faz parte de um estudo que pretende estabelecer a taxa de formação de estrelas em galáxias através da produção de binárias de raios X. As binárias de raios X são uma classe de estrelas na qual dois astros estão em órbita um do outro, mas um deles é um objeto compacto, que pode ser uma anã branca, uma estrela de nêutrons ou até um buraco negro. A idéia é simplesmente correlacionar a quantidade de

binárias produzidas com a atividade de formação de estrelas em uma galáxia de modo geral.

Isso porque a taxa de formação de estrelas em galáxias é estimada a partir de estrelas com muita massa. Elas são mais fáceis de enxergar, porque são mais brilhantes, mas por outro lado vivem pouco tempo. Os objetos compactos das binárias de raios X deste estudo foram estrelas de alta massa no passado e, depois de explodirem como supernova, são estrelas de nêutrons ou buracos negros. Nessa condição, eles emitem raios X por um período de tempo muito maior que o tempo de vida de suas estrelas progenitoras.

Essas binárias são justamente os pontos azuis nesta composição de fotos do Hubble e do Chandra. Em especial, na parte de cima da imagem, bem no meio da cabeleira da Medusa, está uma binária com um buraco negro emitindo raios X. A tal da cabeleira da galáxia é originária de uma interação com outra galáxia próxima.

Estudando esses fósseis em galáxias próximas como NGC 4194, que está a apenas 110 milhões de anos-luz de nós, na constelação da Ursa Maior, é possível estabelecer a correlação entre a formação de estrelas e a quantidade de binárias de raios X, já que é possível enxergar a galáxia em detalhes. A partir da correlação estabelecida, medir a taxa de estrelas sendo formadas em galáxias muito mais distantes fica fácil usando as binárias de raios X.

A propósito, este estudo estabeleceu que, para cada milhão de toneladas de gás usado para formar estrelas, uma tonelada vai ser tragada por um buraco negro. Medindo a voracidade dos buracos negros nas binárias (pelos raios X emitidos), dá para saber quanto de matéria está disponível para formar estrelas.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar