Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Satélites indicam temporada intensa de furacões no Atlântico

Quem acompanha as notícias meteorológicas tem notado intensos fenômenos climáticos

Compartilhe

Quem acompanha as notícias meteorológicas tem notado intensos fenômenos climáticos como chuvas intensas, ventos fortes e até neve em regiões do sul do país, muitos deles motivados pelo de formação de um ciclone extratropical no oceano Atlântico. Em contraste a isso, nas últimas semanas foram registrados inúmeros focos de incêndios florestais pelo país com origem no desmatamento na região amazônica. A notícia está no site CanalTech.

O fato é que nada disso seria possível sem o monitoramento por sistema de satélites na órbita terrestre, que identificaram uma temporada de furacões no oceano este ano, responsável por fenômenos climáticos como alguns dos citados e outros que ainda estão por vir até o final de outubro.

A afirmação vem do cientista Jim Yoe, do Serviço Nacional de Meteorologia da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), em entrevista dada ao site Space.com. "Estávamos prevendo uma temporada de furacões acima da média. O cenário realmente [foi] montado para ter muitos furacões este ano", revela.

Mesmo em órbita, satélites monitoram o fundo do mar

A NOAA e outras organizações com os mesmos fins utilizam satélites que orbitam na mesma velocidade da rotação da Terra, em torno de 35.888 quilômetros, para realizar o monitoramento do clima. Tais aparelhos contam com tecnologias avançadas de imagem, que contribuem para estudar a temperatura da água do mar, responsável por dar origem a furacões, e a identificação rápida da formação e movimentos dessas ocorrências.

“Nossos satélites nos dão uma visão em grande escala. Pense em nossas câmeras digitais e em como elas são melhores, nas imagens mais nítidas que obtemos hoje em comparação com 20 anos atrás. Olhamos para o vento, rastreamos os movimentos das nuvens para ver quais são as velocidades e direções do vento, se elas vão favorecer a formação e intensificação dos furacões também”, revela o cientista.

Com o satélite denominado Suomi NPP da NASA-NOAA, a instituição meteorológica também tem rastreado o furacão Genevieve, localizado no Oceano Pacífico e que atualmente encontra-se na categoria 3 da escala Saffir-Simpson (que vai até 5), corroborando assim para que, além de marcado pela pandemia de COVID-19, 2020 também possa ser considerado o ano dos furacões.

 




Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar