Teresina e Buenos Aires estudam união no âmbito de governo aberto

Técnicos da administração municipal deram início às discussões.

Tornar Teresina uma referência para o Nordeste no âmbito de governo aberto e cidades inteligentes. Com esse objetivo, técnicos da administração municipal deram início às discussões para uma parceria institucional com a cidade autônoma de Buenos Aires.

O encontro aconteceu durante o encontro regional da Aliança para o governo aberto nas Américas, que acontece na capital argentina. Na ocasião, técnicos da prefeitura apresentaram a Plataforma Teresina 2030 a representantes da subsecretaria de gestão estratégica e qualidade institucional de Buenos Aires. A Teresina 2030 é a estratégia de governo aberto que tem como objetivo monitorar as metas de desenvolvimento sustentável do município usando tecnologias digitais.

“Buenos Aires tem uma experiência que pode contribuir para que Teresina se torne uma referência em governo aberto no Nordeste. Apresentamos o trabalho que vem sendo feito na Agenda Teresina 2030 e permaneceremos em contato para firmar parcerias no âmbito de governo aberto e cidade inteligente”, afirma a assessora de coordenação de Planejamento Urbano da Prefeitura de Teresina, arquiteta Flávia Maia.


A capital argentina é uma das cidades pioneiras da América Latina em governo aberto e a primeira a publicar todas informações relevantes para o monitoramento e cumprimento dos compromissos em um site de forma acessível para população. Hoje a cidade de Buenos Aires possui um ecossistema de inovação. Um dos eixos permite que a população conheça e acompanhem todas as obras que acontecem na capital argentina.

Troca de experiência

Junto com possíveis parceiras, a Prefeitura de Teresina está também conhecendo outras iniciativas de abertura de dados e processos participativos. O encontro regional da Aliança para o governo aberto nas Américas reúne mais de dois mil representantes do governo, sociedade civil e iniciativa privada.

“Estamos aqui para firmar esse compromisso de inovação e transparência no setor público. Aprendemos pincipalmente com a experiência de Córdoba, Quito e Santa Fé. São práticas que podem ser adaptadas e implementadas para realidade de Teresina”, explica Flávia Maia. “Na cidade argentina de Córdoba, por exemplo, foi criado um roteiro para alinhamento de projetos municipais aos objetivos globais de desenvolvimento sustentável. Já em Quito (Equador) houve a criação de um laboratório de análises urbanas, e em Santa Fé (Argentina) foi criado um laboratório de inovação cidadã, Santalab”, complementa.

Fonte: Ascom
logomarca do portal meionorte..com