Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Teresina registrou 428 casos de HIV/AIDS em 2019

Na capital, a Prefeitura realizou ações nos parques durante o final de semana para chamar atenção para o tema.

Compartilhe
Google Whatsapp

No dia 1º de dezembro é celebrado em todo o mundo o Dia Mundial de Combate à Aids, para conscientização e prevenção da doença. A data serve de alerta para a incidência da doença no Brasil, que de acordo com o Ministério da Saúde, tem reduzido o número de mortes, mas ainda é grande o número de pessoas que vivem com HIV e não sabem que possuem a doença. 

Dados da Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina mostram que, até o mês de novembro deste ano, foram notificados 428 novos casos de HIV/AIDS entre os residentes em Teresina, contra 527 casos em 2018.

Na capital, a Prefeitura realizou ações nos parques durante o final de semana para chamar atenção para o tema. A FMS tem ampliado o acesso aos testes de HIV, que agora podem ser realizados em todos os serviços de saúde do município. 

Crédito: Gettyimages

Alana Niége, coordenadora de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) e AIDS da FMS, chama atenção para a importância das campanhas de prevenção e principalmente da testagem, que deve ser feita por todos. “Existem milhões de pessoas que não sabem do seu estado sorológico. Ações como estas servem para dar acesso à testagem, e a pessoa, uma vez diagnosticada, já iniciar seu tratamento, que é de acesso universal, feito pelo SUS, e vai garantir uma qualidade de vida quando feito corretamente”, esclarece Alana Niége.

O Dia Mundial de Combate à AIDS tem por objetivo chamar a atenção sobre o problema, desde sua prevenção, tratamento, acompanhamento, uma vez que se trata de uma doença ainda sem cura e que requer uma proteção eficiente. “Precisamos findar esse preconceito, mostrar à população que não se contrai AIDS com um aperto de mão, ou com um simples abraço em um paciente. A doença não é uma sentença de morte e é possível viver com ela, relacionar-se e trabalhar normalmente”, alerta Alana Niége.


Siga nosso canal no telegram
Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se