Traficantes queimam 8 ônibus deixando Baixada Fluminense 'isolada'

A Polícia Militar já prendeu 36 suspeitos nas comunidades

Um confronto entre traficantes com intensos tiroteios em Cordovil, zona norte do Rio de Janeiro, deixou ao menos oito ônibus incendiados em vários pontos da cidade e "isolou" a Baixada Fluminense nesta terça-feira (2).

Três ônibus foram queimados por criminosos na rodovia Rio-Petrópolis (BR-040), altura de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Mais dois ônibus foram incendiados na avenida Brasil, altura de Cordovil, sendo um na pista lateral em direção à zona oeste.

Um caminhão foi queimado na pista central, também da Avenida Brasil, em direção à região central da cidade. Mais um ônibus foi totalmente destruído na Avenida Paris, altura da Praça das Nações, em Bonsucesso e o outro na Rua Itabira, no mesmo bairro.

Também foi queimado um ônibus na Rua Bulhões Marcial, em Cordovil.

Devido à ação dos criminosos, a Polícia Militar interditou a rodovia Rio-Juiz de Fora, a pista lateral da Avenida Brasil nos dois sentidos, altura de Parada de Lucas, além da interdição total da Linha Vermelha, via expressa que liga a Baixada Fluminense à zona norte do Rio.

Outro trecho interditado é a Rua Bulhões Marcial, em Cordovil, subúrbio da cidade. Mais de 3.000 crianças da rede municipal de ensino estão sem aula, em Cordovil, por medida de segurança.

Até agora, a PM já prendeu 36 suspeitos nas comunidades Cidade Alta e Parada de Lucas, na zona norte da cidade. Ao menos 31 fuzis foram apreendidos.

Posição oficial

Em comunicado oficial, a Polícia Militar informou que criminosos teriam ateado fogo aos veículos em represália a um intenso confronto com criminosos na Cidade Alta, em Cordovil. Nenhum dos detidos foi identificado como responsável pelos incêndios aos coletivos. Três policiais ficaram feridos, mas sem gravidade.

Tropas especiais de policiamento foram enviadas para Cidade Alta, em Cordovil, onde uma guerra de facções criminosas gera pânico à população desde o início da manhã desta terça-feira, afirmou o comandante Silva, do 16º BPM (Batalhão de Polícia Militar).

Segundo ele, a capacidade de atuação da Polícia Militar está limitada diante do tamanho da crise de segurança, por isso, as tropas especiais teriam sido convocadas. O cerco aos traficantes permanece no início da tarde desta terça-feira.

— Tudo se iniciou com a tentativa de invasão de uma das facções na Cidade Alta.

Fonte: r7
logomarca do portal meionorte..com