A Universidade Federal do Piauí (UFPI) reabriu a Exposição Itinerante de Coleção de História Natural da instituição no Campus Amílcar Ferreira Sobral, em Floriano, para o público em geral. A exposição passou dois anos fechada em decorrência da pandemia e as visitas aos exemplares era permitida apenas para alunos e funcionários da Universidade.

Exposição voltou a ser aberta ao público - Foto: AscomExposição voltou a ser aberta ao público - Foto: Ascom

Daniel Fortier, pesquisador e paleontólogo da UFPI, falou sobre a reabertura e a coleção que possui cerca de 30 mil peças expostas, reunindo espécies da fauna e da flora brasileira, além de rochas, minerais e alguns organismos impressos em 3D em plástico biodegradável.  “Nossa expectativa é receber visitas não só da comunidade acadêmica, mas do público em geral. Estamos trabalhando, desenvolvendo nosso papel social e nos esforçando para promover essa experiência para as pessoas. Temos mais de 30 mil peças científicas, entre vertebrados invertebrados, fósseis e minerais que são materiais essenciais de pesquisa e que ficam na sala de exposição”, relatou. 

Daniel Fortier, pesquisador e paleontólogo da UFPI  - Foto: AscomDaniel Fortier, pesquisador e paleontólogo da UFPI  - Foto: Ascom

A coleção também conta com exposição de animais contemporâneos empalhados, nativos do Piauí e de outras partes do Brasil. Réplicas em 3D também podem ser vistas impressas por meio de plástico biodegradável. Daniel afirma que a exposição é fundamental para as pessoas terem acesso à informação de forma clara e expositiva, desenvolvendo, principalmente, o papel de conscientizar as pessoas para a importância de preservação da natureza. “Esse espaço permite que as pessoas tenham uma noção mais próxima de como era a vida no passado e os visitantes passam a conhecer e valorizar mais a nossa biodiversidade”. 

Réplicas em 3D impressas por meio de plástico biodegradável - Foto: AscomRéplicas em 3D impressas por meio de plástico biodegradável - Foto: Ascom

O projeto conta com a ativa participação de alunos de graduação e de mestrado do Campus, que auxiliam no desenvolvimento da exposição.  “A participação dos alunos nesse projeto é fundamental. Eles são responsáveis por receber os visitantes e apresentar toda a exposição. Temos alunos de PIBIC, PIBEX, PET que são voluntários do projeto. Esses alunos estão envolvidos com os professores da coleção e recebem treinamento para repassarem essas informações aos visitantes. Sem eles não conseguiríamos tocar o projeto”, disse.

Fósseis, rochas e minerais fazem parte do acervo - Foto: AscomFósseis, rochas e minerais fazem parte do acervo - Foto: Ascom

Daniel citou também a importância da extensão para a Instituição. “Desenvolvemos muitas atividades de pesquisa. Temos recentemente aberto, o mestrado em Biodiversidade e Conservação, o primeiro mestrado da área no estado do Piauí. Então, demos um grande passo nesse atendimento à comunidade acadêmica, já que essa exposição é essencial para esses alunos de mestrado”, afirma.

O pesquisador falou também sobre a diversidade de peças que se encontram na exposição. “Nossa exposição é dinâmica. Ao longo do ano fazemos coletas e preparamos novos materiais. Também produzimos novos materiais na impressora 3D. Sempre estimulamos as pessoas a estarem visitando, porque ao passar do tempo vamos tendo várias novidades”, finalizou. 

Coleção reúne espécies da fauna e da flora brasileira - Foto: AscomColeção reúne espécies da fauna e da flora brasileira - Foto: Ascom

Quem desejar visitar o espaço no campus da UFPI de Floriano pode ir ao local de segunda a sexta-feira, em horário comercial, sem precisar agendar.

Para pesquisadores, instituições ou escolas que queiram agendar a visita, ela pode ser feita por meio do contato (89) 9 99366446 ou por e-mail no endereço [email protected] . Essas visitas podem ocorrer de segunda-feira a sábado em horários comerciais a combinar.