Universitária denuncia ter sido expulsa de faculdade por homofobia

O caso ocorreu na última segunda-feira (03)

A estudante Milena Carvalho, de 18 anos, registrou um boletim de ocorrência na Polícia Militar (PM) depois de ser expulsa da Faculdades Integradas Vianna Júnior em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Para a universitária seu desligamento foi após ela beijar uma menina de 16 anos que também estuda na instituição.

Por meio de nota, a faculdade nega as acusações, diz que qualquer namoro dentro do ambiente escolar é proibido e que alunas tinham consciência das sanções que poderiam ser aplicadas.

O caso ocorreu na última segunda-feira (3), quando as duas estudantes foram flagradas se beijando em um box do banheiro do prédio da Instituição. Ao ser questionada, a instituição explicou que "uma colaboradora reparou que havia uma movimentação diferente no banheiro e reportou para a responsável". Esse profissional foi quem flagrou as duas juntas. Ao serem descobertas, as jovens voltaram para suas salas, respectivamente, e ao fim do horário foram levadas até a direção. Na presença de suas mães, a princípio, a menor negou o ato mas no final acabou confessando.

 Universitária denuncia ter sido expulsa de faculdade por homofobia
Universitária denuncia ter sido expulsa de faculdade por homofobia


Diante do ocorrido, a diretora acadêmica informou que haveria uma sanção as estudantes, mas solicitou as mães e as jovens que aguardassem um posicionamento da instituição.

"O poder disciplinar foi aplicado de acordo com os regimentos internos da Instituição, a menor seguiu as sanções cabíveis ao regulamento do colégio, por estar cursando o primeiro ano do Ensino Médio e, a maior, por estar no primeiro período do Curso de Direito, seguiu as normas aplicadas às Faculdades", justificou a nota.

Revoltada com a situação, a universitária procurou a Polícia Militar (PM) e registrou um boletim de ocorrência por calúnia, com causa presumida de homofobia, lesbofobia, bifobia e transfobia.

A proibição consta consta no Manual do Aluno que, que segundo justificou a faculdade, é entregue aos jovens e disponível na área de convivência. Além disso, a orientação está disponível no site do grupo e também é entregue aos pais durante a matricula dos filhos.

Em data anterior, outro aluno chegou a ser expulso por infringir a determinação. "Já aconteceu com alunos heterossexuais que foram flagrados na mesma situação e tiveram a mesma punição".

Atualmente, o instituto conta com quase 3.000 alunos em seu quadro, formado por ensino fundamental, médio e superior.

Fonte: Com informações do O tempo