Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Vigilância Sanitária apreende 171 kg de carne clandestina em Teresina

A apreensão aconteceu durante blitz de fiscalização nesta quarta-feira (26).

Compartilhe

A Vigilância Sanitária de Teresina apreendeu 171 quilos de carne bovina clandestina que estavam sendo comercializados em açougue na zona Sul da cidade. A apreensão aconteceu durante blitz de fiscalização nesta quarta-feira (26). Foram apreendidos 66 kg de carne de corte dianteiro e 105 kg de traseiro. 

“A carne foi apreendida porque não apresentava os carimbos da inspeção. Sendo assim, não se sabe onde e em que condições o boi foi abatido e a qualidade dessa carne, se está adequada para o consumo humano. Todo o produto foi destruída em graxaria de um matadouro privado”, destaca a gerente da Vigilância Sanitária de Teresina, Jeanyne Seba.

Equipes da Vigilância Sanitária de Teresina realizam, constantemente, inspeções para verificar as condições dos produtos comercializados no município. Jeanyne Seba orienta que a população sempre verifique se a carne comercializada possui carimbo de inspeção, bem como as condições de higiene do local em que o produto está sendo comercializado. 

Vigilância apreende carne clandestina em Teresina (Divulgação)

“Em um local regularizado, o animal passa primeiro por uma verificação do veterinário antes de ser abatido. Depois, todo processo é realizado dentro de um padrão higiênico, em que o animal fica suspenso, evitando a sua contaminação. A carcaça e suas vísceras passam por vistoria para descartar qualquer tipo de doença. Só depois disso, elas são carimbadas pelo médico veterinário, que emite um certificado de inspeção para que o produto possa ser comercializado”, explica.

A Vigilância Sanitária alerta que o consumo de carne clandestina traz sérios riscos à saúde, uma vez que pode transmitir muitas doenças, como teníase, tuberculose e brucelose. “A carne clandestina geralmente é abatida em locais que as condições higiênicas não são adequadas e que não se conhece também a procedência do animal. Durante todo o processo de abate, o local precisa estar limpo, ser higienizado, os profissionais devem usar equipamentos de proteção, além de higienizar, previamente, todos os utensílios a serem usados no processo”, finaliza Jeanyne Seba.

Vigilância Sanitária apreende carne clandestina na zona Sul (Divulgação)

 Com informações da assessoria


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar