Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Witzel se diz indignado com afastamento do governo do RJ: 'Um circo'

Superior Tribunal de Justiça afastou governador, inicialmente por 6 meses, por irregularidades na saúde. Governador, primeira-dama e mais 7 foram denunciados.

Compartilhe

O governador Wilson Witzel (PSC-RJ) declarou, em um pronunciamento no Palácio Laranjeiras às 10h30 desta sexta-feira (28), que está "indignado" com afastamento do cargo.

Witzel se disse perseguido pelo governo federal e fez ataques ao ex-secretário Edmar Santos, preso pelas denúncias de corrupção na Saúde – e delator do governador.

"Mais uma vez quero manifestar a minha indignação e uma busca e apreensão e, mais uma vez, é uma busca e decepção. Não encontrou um real, uma joia, simplesmente mais um circo sendo realizado", disse Witzel. "Você não pode afastar um governador com a suposição de que ele vai fazer algo."

Wilson Witzel -  Mauro Pimentel/AFP 

"Essa minha indignação é a indignação de um cidadão que veio governar o Estado do Rio de Janeiro e está sendo massacrado politicamente porque há interesses que não me querem governando o estado. Há interesses poderosos contra mim e querem destruir o RJ."

Ataques à subprocuradora Lindôra

O governador fez ataques à Procuradoria-Geral da República (PGR) e pediu investigação de um suposto "uso político" da instituição.

"Eu e outros governadores estamos sendo vítimas -- isso precisa ser investigado -- do possível uso político da instituição."

"O Superior Tribunal de Justiça possui vários subprocuradores. Por que não se faz, como em qualquer outro Ministério Público, a distribuição e não o direcionamento para um determinado procurador: no caso a Dra. Lindôra [Maria Araújo, que chefia a Lava Jato na PGR). E a imprensa já noticiou o seu relacionamento próximo com a família Bolsonaro", disse Witzel.

"Eu quero desafiar ao Ministério Público Federal na pessoa da Dra. Lindôra, que a questão agora é pessoal, né? É pessoal. Ela me adjetivou como chefe da organização criminosa. Eu quero que ela apresente um único e-mail, um único telefonema, uma prova testemunhal, um pedaço de papel em que eu tenha pedido qualquer tipo de vantagem ilícita para mim", afirmou.

Em nota, a subprocuradora-geral da República Lindôra Maria Araújo afirma que: "assim como em todos os casos que tramitam na Assessoria Jurídica Criminal para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), sua atuação é pautada em provas e é sempre submetida à apreciação do Poder Judiciário. O descontentamento dos investigados é natural e deve ser manifestado e rebatido nos autos."

Ataques a Edmar Santos

A operação que afastou o governador é desdobramento da Operação Favorito e da Operação Placebo e da delação premiada de Edmar Santos, outro alvo de ataques de Witzel.

"Edmar nos enganou a todos. Um tenente-coronel da Polícia Militar, professor da Uerj, ex-diretor do Pedro Ernesto. Esse vagabundo entra na saúde do Rio de Janeiro quando eu avisei que não toleraria corrupção e não tolero corrupção. Tentou ludibriar a todos nós."

'Ultraje à democracia'

O governador questionou ainda a duração do afastamento.

"Afastamento de 180 dias? Por quê? Em dezembro eu tenho que escolher o novo procurador-geral de Justiça. Isso é um ultraje à democracia. Por que 180 dias, se em dezembro eu tenho que escolher o novo procurador-geral de Justiça?", indagou.

"Busca e apreensão na casa do vice-governador? Busca e apreensão na casa do presidente da Alerj? Com base em uma delação mentirosa de um homem desesperado, de um bandido que nos enganou a todos."

Defesa da mulher

Para o governador afastado, "estão criminalizando a advocacia".

"'Não, mas os contratos da Dra. Helena Witzel são os contratos da lavagem de dinheiro’", citou Witzel; "Mas, para haver lavagem de dinheiro, tem que ter vantagem ilícita. Qual foi o ato ilícito que eu pratiquei?", questionou.

"Quer dizer, quem é filho de ministro, quem é esposa de ministro, se estiver advogando, está recebendo alguma vantagem? Estão criminalizando a advocacia. A OAB precisa se manifestar sobre isso", disse.

'Medidas cabíveis'

Mais cedo, a defesa divulgou uma nota em que diz que foi uma "grande surpresa" e que tomará "medida cabíveis" contra a decisão.

"A defesa do governador Wilson Witzel recebe com grande surpresa a decisão de afastamento do cargo, tomada de forma monocrática e com tamanha gravidade. Os advogados aguardam o acesso ao conteúdo da decisão para tomar as medidas cabíveis."

O afastamento por prazo de seis meses foi determinado pelo ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por denúncias de irregularidades na Saúde. Não há ordem de prisão contra o governador.

Witzel e outros oito investigados, incluindo a primeira-dama Helena Witzel, foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Denúncia

Na denúncia, a Procuradoria-Geral da República aponta pagamentos suspeitos efetuados por empresas ligadas ao empresário Mário Peixoto ao escritório de advocacia de Helena Witzel.

Também são objetos da denúncia pagamentos feitos pela empresa da família de Gothardo Lopes Netto, médico e ex-prefeito de Volta Redonda, ao escritório da primeira-dama.

Conforme consta da acusação encaminhada ao STJ, a contratação do escritório de advocacia consistiu em artifício para permitir a transferência indireta de valores de Mário Peixoto e Gothardo Lopes Netto para Witzel.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar