O Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM/TCEPI) é um indicador concebido pelo Tribunal de Contas do Estado Do Piauí (TCEPI) que avalia a efetividade das políticas e atividades públicas desenvolvidas pelos gestores das 224 prefeituras piauienses. Inédito no âmbito das Cortes de Contas do Brasil, tem como objetivo verificar se a visão e objetivos estratégicos dos municípios foram alcançados de forma efetiva e com isso, oferecer elementos importantes para auxiliar e subsidiar a ação fiscalizatória exercida pelo controle externo.

O IEGM é formado por 7 índices setoriais, consolidados em um único indicador com foco na análise da infraestrutura e dos processos nos municípios. São eles: Educação, Saúde, Planejamento, Gestão Fiscal, Proteção ao Meio Ambiente, Cidadãos e Tecnologia da Informação). Foi divulgado pelo TCE no último dia 16.

Os municípios piauienses que alcançaram média  foram Água Branca, Baixa Grande do Ribeiro, Bom Jesus, Cajueiro da Praia, Campo Grande do Piauí, Cocal de Telha, Colônia do Gurguéia, Conceição do Canindé, Corrente, Elesbão Veloso, Francisco Santos, Monsenhor Hipólito, Oeiras, Parnaguá, São Miguel do Tapuio, Teresina e Vila Nova do Piauí.

O prefeito de Bom Jesus que ficou bastante otimista com o reconhecimento do TCE, ainda segundo Marcos Elvas, mesmo diante de tantos processos e denúncias infundadas feitas contra a sua gestão, um orgão competente como TCE reconhece a transparência e o cuidado nosso com a coisa pública, "aqui não se brinca de prefeitura", nós temos uma equipe séria e competente afrente das secretarias do município, aqui a coisa funciona, concluiu Elvas.

Resultado do primeiro IEGM/PI, que está sendo apresentado nos cursos e eventos do TCE-PI, mostra que o Piauí atingiu a média de 0,52 na avaliação dos municípios, numa pontuação que vai de 0 a 1. A maior média alcançada pelos municípios do Piauí foi nas dimensões de Saúde e Gestão Fiscal, que se refere à faixa de efetividade.

O resultado evidencia a concentração dos municípios piauienses na faixa C+ (em fase de adequação), com 72 cidades (50% dos que preencheram o IEGM) nesta situação. Constata-se também a ausência de municípios situados nas faixas A (altamente efetiva) e B+ (Muito efetiva). Por outro lado, destaca-se como ponto de atenção a média de 0,27 obtida na dimensão i-Cidade, correspondendo à faixa C (baixo nível de adequação).

FONTE: WWW.PORTALB1.COM.BR