Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Borracheiro estupra crianças em SP

O pai dos meninos calcula que os abusos tenham começado em julho do ano passado

Compartilhe

Os olhos se enchem de água quando o jardineiro, que se identifica apenas como José, de 42 anos, lembra o horror que teriam feito com seus três filhos de 10, 8 e 5 anos. As crianças estão entre as mais de 20 que podem ter sido vítimas de pedófilos em Catanduva, a 379 km de São Paulo.

E um dos suspeitos mora a apenas três quadras de sua casa. ?É difícil eles dormirem à noite. Agora, com qualquer barulho, estão alerta?, contou ele nesta segunda-feira (2).

José estava no Fórum da cidade, onde teve um encontro com o senador Magno Malta (PL), presidente da CPI da Pedofilia. O parlamentar veio acompanhar as investigações. O pai dos meninos calcula que os abusos tenham começado em julho do ano passado, quando os garotos do bairro Jardim Alpino, na periferia, conheceram um borracheiro.

Aos 46 anos, é um dos dois suspeitos presos ? o outro é sobrinho dele e tem 19 anos. Há ainda dois jovens de 16 e 17 anos detidos. ?Os meninos disseram que o homem consertava bicicletas e fazia pipas. Queriam ir lá para aprender. Ele vendia pipas grandes e pequenas e tinha um piano em casa. Tudo para atrair as crianças?, aposta José, que, desconfiado, chegou a verificar o local.

?Fui ver o ambiente. Observei bem e não tinha nada de estranho?, afirma o homem, que baixou a guarda e deixou seus filhos frequentarem a casa do borracheiro. Aos poucos, o menino de 10 anos e as meninas de 8 e 5 anos mudaram de comportamento.

?As meninas começaram a fazer xixi na cama, o que não acontecia mais. E os três ficaram com medo de tomar banho sozinhos?. Com ar de culpa, José conta que chegou a brigar com a mais nova porque um dia ela se queixou de ardência na parte genital. ?Perguntei se ela não estava se limpando direito?.

Quando o borracheiro foi preso pela primeira vez em dezembro (a segunda e definitiva prisão foi em janeiro) por suspeita de pedofilia, José começou a ligar os fatos. Hoje, se segura para não expressar em palavras o que gostaria de fazer se estivesse frente a frente com o vizinho de aparência comum. ?Só sinto não ter podido dar uma vida boa para meus filhos?.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar