Desde que foi implantado, há pouco mais de um mês, o policiamento ostensivo utilizando bicicletas, ciclopatrulhamento, da Polícia Militar do Piauí (PM-PI) já realizou 471 abordagens. Dessas, foram registradas 15 ocorrências que vão desde apreensão de armas até auxílio ao Corpo de Bombeiros e Samu em situações como tentativa de suicídio.

No mês de junho foram entregues 45 bicicletas à corporação, fruto de doação de uma empresa privada. O efetivo do ciclopatrulhamento conta com 46 policiais militares habilitados e preparados para executar o policiamento montado. Os ciclopatrulheiros atuam em três áreas de Teresina, em três turnos, de 5h às 21h, intensificando o policiamento em áreas de maior concentração de pessoas e locais onde são realizadas atividades físicas como caminhada, corrida e ciclismo.

A Polícia Militar do Piauí fez um balanço dos primeiros 41 dias do trabalho dessa nova modalidade de policiamento realizado no Centro de Teresina e nas Avenidas Raul Lopes, Cajuína e Marechal Castelo Branco. Nesse período foram realizadas 479 ações planejadas, 471 abordagens de pessoas, 11 abordagens de condutores de carros, 4 abordagens de condutores de motocicletas e registrado um Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) por posse de drogas e duas pessoas foram conduzidas para a Central de Flagrantes para realização de prisão.

Ciclopatrulhamento já rendeu resultados para sociedade (Paulo Barros)Ciclopatrulhamento já rendeu resultados para sociedade (Paulo Barros)

Balanço de 41 dias

Nos primeiros 41 dias de atuação, 15 ocorrências foram atendidas pelo ciclopatrulhamento da PM, número considerado pela corporação como dentro do esperando. Entre os atendimentos tem tentativa de assalto (1), assalto (2), desinteligência e ameaça (1), recuperação de veículos (2), apreensão de simulacro de arma de fogo (1), apreensão de arma branca (4), apoio em situação de acidente de trânsito (2), poio a ciclista (1), ao Samu (1) e aos Bombeiros (1).

Segundo o comandante-geral da PM, coronel Scheiwann Lopes, essa é uma técnica que existe em vários lugares do Brasil e do mundo. De acordo com ele, o ciclopatrulhamento foi criado com objetivo de levar segurança pública aos locais onde as viaturas convencionais não conseguem chegar, bem como fortalecer o policiamento comunitário, com uma aproximação cada vez maior com a sociedade, atuando de forma preventiva.

Modalidade diferenciada

Segundo o capitão Evanildo Nunes Costa, coordenador Operacional do Ciclopatrulhamento, essa é uma modalidade de policiamento diferenciado. “É um policiamento versátil, econômico, ecológico e rápido, pois vai chegar com maior rapidez aos locais como praças, parques e trilhas causando um fator surpresa durante abordagem, bem como veio para reforçar o policiamento já existente e aumentar a sensação de segurança”, destacou o coordenador.

Scheiwann Lopes acrescenta que a utilização de motos e bicicletas pela PM permite ainda otimizar o número de policiais em uma determinada área. 

“Isso porque tanto o ciclopatrulhamento como o motopatrulhamento dá uma abrangência maior, pois os policiais podem percorrer uma área mais extensa com esses veículos. Com isso, podemos deslocar mais profissionais para outras regiões, aumentando a abrangência das ações de segurança do Estado”, ressalta o coronel.

O comandante finaliza destacando que o policiamento utilizando bicicletas traz outros benefícios, como melhorar o condicionamento físico dos policias e não polui o meio ambiente, pois as bikes não emitem nenhum poluente.